Análise

A Europa dificilmente sobreviveria (sobreviverá) a Donald Trump

Trump promete pôr tudo em causa. Pode ser mais destrutivo do que as guerras de George W. Bush. Se ganhar, "seria o Natal no Kremlin", resume Hillary Clinton.

1. Se Trump ganhar. Se Trump ganhasse. Se Trump ganhar. Se. A Europa vive há meses paralisada perante a mais extraordinária das eleições presidenciais desde que foi criada a comunidade transatlântica na sequência da II Guerra. Os governos não mencionam o assunto, justificando o seu silêncio com a velha prática de não interferir nas escolhas dos outros. Mas também não sabem o que dizer. Sabem apenas que esse cenário “impensável” pode alterar radicalmente as regras do jogo da aliança transatlântica e as perspectivas da própria economia global.

“Os mercados preparam-se para um voto que faz o 'Brexit' parecer uma insignificância”, escreve Gillian Tett no Financial Times. A britânica Economist, que decidiu tomar posição a favor de Hillary, lembra o que seria Trump na Casa Branca. “A sua experiência, temperamento e carácter tornam-no horrendamente inapto para ser o chefe de Estado de uma nação da qual o mundo democrático espera liderança, o comandante-em-chefe das Forças Armadas mais poderosas do mundo, e o indivíduo que controla a dissuasão nuclear americana”. Seguem-se muitas outras razões mas, diz a revista, estas chegam. Podemos acrescentar a sua oposição ao combate contra as alterações climáticas ou a proliferação nuclear. É qualquer coisa de novo.

“As eleições deste ano provocaram uma reviravolta da política externa americana, mais dramática do que qualquer outra de que nos lembremos”, escrevem Molly O’Tool e Dan de Luce na Foreign Policy. Preferir Obama a McCain, como aconteceu em 2008, situava-se dentro do vasto terreno de cooperação entre os dois lados do Atlântico. O mesmo entre Bush e John Kerry (2004), apesar do desastre das guerras do anterior Presidente e das divisões que o “momento unipolar da América” provocou entre os aliados europeus.

2. A Aliança Atlântica já passou por muitas crises, já levou a cabo inúmeras missões militares desde o fim da Guerra Fria, que venceu sem disparar um tiro. Foi tentando, com razoável sucesso, adaptar-se às mudanças internacionais que aconteceram nos últimos 25 anos. Já foi dada como moribunda, mas depois renasceu das cinzas. Embora não goste de o admitir, a Europa continua a preferir viver sob protecção americana. “A NATO é e continua a ser o principal instrumento de segurança e defesa da Europa”, resume Mogherini na sua proposta de nova estratégia de segurança europeia. Qualquer reforço da sua capacidade militar autónoma (como a ideia de criar um Quartel-General em Bruxelas) não dispensa o poder militar americano para lhe garantir a retaguarda.

E não há, verdadeiramente, interesses fundamentais que não possam ser partilhados. O Presidente Obama redescobriu a importância dos aliados europeus com a crise na Síria e com a ofensiva russa na Ucrânia. A sua preocupação estratégica com a China tem fundamentos sólidos, mas não chegou a pôr em causa a importância da Europa para a manutenção de uma ordem internacional favorável às democracias. O mundo tornou-se mais hostil aos Estados Unidos. A Aliança sobreviveu sempre.

3. Os governos europeus aprenderam com o "Brexit" que os cálculos lhe podem sair completamente errados. Não perceberam os sinais. Estão pessimistas. Em contrapartida, Hillary Clinton é uma velha conhecida. Os europeus precisam dela para lidar com a Rússia e evitar as divisões europeias face a Putin. Mas também precisam dela, embora não o admitam, para tentar evitar uma “descida aos infernos”, que se arrisca e destruir um legado de 60 anos de integração e de democracia.

Os Estados Unidos foram uma poderosa força motora da integração europeia, porque não queriam ter de voltar uma terceira vez ao velho continente para salvá-lo de si próprio. Hoje, continuam a desempenhar esse papel unificador. Com tantos problemas internacionais para resolver, Clinton, se ganhar, não quer ficar com mais um. Dirá a Angela Merkel e a Theresa May para se entenderem rapidamente sobre uma solução qualquer que não signifique o risco de desagregação ou uma ainda maior fraqueza política e militar da Europa. Resumiu a sua visão da NATO numa frase: a aliança é “um dos melhores investimentos que a América jamais fez”. Se Trump ganhasse, disse ainda, “seria o Natal no Kremlin”.

Trump pode ser mais destrutivo do que as guerras de Bush. O anterior Presidente dividiu profundamente a Europa, provocando aquela que foi a maior crise da relação transatlântica. Abriu feridas que pareciam incuráveis. Pouco tempo depois, a Europa reconciliou-se com os Estados Unidos, a NATO sobreviveu à fractura e desempenhou um papel relevante em Cabul e em Bagdad.

4. Resta o “factor Putin”. A Aliança Atlântica chegou a criar uma parceria com o Kremlin (1997), incluindo um Conselho NATO-Rússia criado ainda no tempo de Ieltsin. Mas a ideia (que Putin chegou a admitir) de construir uma arquitectura de segurança europeia que prescindisse da NATO (e dos Estados Unidos) e englobasse todos os países, incluindo a Rússia, nunca teve qualquer ressonância na Europa Ocidental.

Em Maio de 2010, numa cimeira em Lisboa, a Aliança Atlântica convidou o Presidente (intercalar) Dmitri Medvedev para sanar o mal-entendido sobre a questão da defesa antimíssil que os americanos queriam instalar na Europa “por causa do Irão” e criar um ambiente propício a uma coabitação pacífica. Obama e os seus aliados proclamaram o fim da Guerra Fria. A então secretária de Estado americana, Hiullary Clinton, já tinha anunciado o “reset” nas relações com Moscovo.

Foi sol de muito pouca dura. Putin regressou em 2012 para anunciar uma política revisionista da ordem internacional, proclamando que tencionava recuperar a zona de influência da antiga União Soviética. Os aliados não tinham prestado a devida atenção aos efeitos da invasão da Geórgia em 2008, embora tivessem prometido uma pausa no alargamento da NATO, na última cimeira de Bush em Bucareste. Foi preciso a crise ucraniana para tocar todos os alarmes. Berlim alinhou com Washington na necessidade de levar a sério uma nova “ameaça” à segurança europeia. As divisões quanto ao grau de reacção ocidental foram silenciadas.

5. A NATO volta a ser olhada pelos europeus como uma aliança essencial para garantir a sua segurança. Nas duas últimas cimeiras (País de Gales e Varsóvia), a Aliança voltou a tomar medidas para conter a ameaça na sua fronteira Leste, reforçando a capacidade dissuasora. Admite ter de rever de novo o seu conceito estratégico. Vê-se obrigada a tomar decisões que, sem serem exageradas, tentam responder a cada escalada de Moscovo, sem se deixar cair na retórica da Guerra Fria que Putin ressuscitou. Não é fácil.

São múltiplas as sensibilidades dentro da própria Aliança. O equilíbrio da resposta tem de ser milimetricamente avaliado. O Conselho da NATO acaba de aprovar um conjunto de medidas destinadas a tranquilizar os países que estão sob a ameaça mais directa de Putin, especialmente os Bálticos, funcionando como dissuasor de qualquer aventura. Ter tropas da NATO e dos Estados Unidos nos Bálticos, na Polónia ou na Roménia fará certamente Putin pensar duas vezes. “As novas medidas defensivas serão um passo importante para reduzir as oportunidades da Rússia para provocar instabilidade”, escreve Keir Giles, da Chatham House. O número de soldados não é o mais importante. A presença de tropas alemães ou britânicas e, sobretudo, americanas nesses países “torna muito mais complicado para a Rússia decidir uma qualquer operação militar contra eles, sem envolver imediatamente o resto da NATO”. Os factos consumados de Putin serão menos tentadores. A Aliança não quer voltar a ser apanhada de surpresa, como aconteceu na Crimeia.

É neste quadro que as eleições americanas chocam de frente com a nova realidade europeia. Trump promete pôr tudo em causa. O que quer isto dizer? Que as tropas americanas saem da Europa? Que a corrida ao armamento nuclear regressa sob a forma de proliferação? Ninguém tem a certeza de nada. Na eventualidade de vencer, o “melhor” dos cenários seria uma América virada para dentro de si própria, indiferente à sorte do mundo ou ao comércio internacional. Até ao primeiro ataque terrorista. Até à derradeira provocação de Putin. Até à completa fragmentação da União Europeia. Até…