2666 considerado melhor livro em castelhano dos últimos 25 anos

A obra monumental do chileno Roberto Bolaño surge em primeiro lugar numa lista criada para comemorar o quarto de século do Babelia, suplemento cultural do El País. O Nobel da Literatura Mario Vargas Llosa surge logo a seguir, com A Festa do Chibo

Roberto Bolaño surge em grande destaque, com dois livros nos três primeiros lugares da lista
Foto
Roberto Bolaño surge em grande destaque, com dois livros nos três primeiros lugares da lista DR

2666, do chileno Robert Bolaño, foi considerado o melhor livro em castelhano dos últimos 25 anos. A lista de 100 obras foi elaborada por 50 escritores, críticos e editores de países com o castelhano como língua oficial. A iniciativa surgiu para comemorar o quarto de século de vida do Babelia, suplemento cultural do El País.

O escritor, que morreu em Barcelona em 2003 e que é considerado o mais relevante, ou um dos mais relevantes, escritores latino-americanos da sua geração, surge novamente em terceiro lugar na lista, com Detectives Selvagens. Entre os dois, surge A Festa do Chibo, do peruano Mario Vargas Llosa, o único Nobel da Literatura presente na lista. A distinção surge no momento em que a Quetzal, que edita o autor de 2666 em Portugal, anuncia o seu 2017 como “ano Bolaño”.

Em comunicado de imprensa, a editora anuncia que, em Abril, publicará o inédito O Espírito da Ficção Científica, com tradução de Cristina Rodriguez e Artur Guerra (dupla que já traduzira obras anteriores do escritor). Outro inédito, Pátria, que reúne três novelas, será também publicado, bem como uma nova tradução de Detectives Selvagens e uma edição especial de 2666 que, lê-se no comunicado, “constituirá uma grande surpresa do ponto de vista gráfico, um objecto de grande beleza, desde a escolha do papel até à tipografia, à capa e ao número de páginas”. Putas assassinas, numa primeira tradução para português, é outra das novidades do ano Bolaño da Quetzal.

O top 10 elaborado pelo júri escolhido pelo Babelia inclui, depois das duas obras de Bolaño e da de Vargas Llosa, é completado por Tu Rostro Mañana, de Javier Marías, Bartleby & Companhia, de Enrique Vila-Matas, La Novela Luminosa, de Mario Levrero, Soldados de Salamina, de Javier Cercas, Borges, de Adolfo Bioy Casares, Coração tão Branco, de Javier Marías, e Rabos de Lagartixa, de Juan Marsé.

Pode consultar a lista completa aqui.