Portugal quer desenvolver carro eléctrico com o Brasil

Acordo foi assinada na Cimeira Portugal-Brasil e António Costa vai a Belo Horizonte iniciar negociações para a produção do automóvel.

Foto
Reuters/ADRIANO MACHADO

Portugal e o Brasil vão cooperar no desenvolvimento e industrialização de um carro eléctrico e comprometeram-se a realizar encontros anuais de ciência. A tecnologia do carro eléctrico tem vindo a ser desenvolvida em Portugal, pelo Centro de Excelência para a Inovação da Indústria Automóvel (CEIIA) e esta quarta-feira o primeiro-ministro vai a Belo Horizonte para iniciar negociações tendo em vista a industrialização do automóvel.

O objectivo é que seja produzido no Estado de Minas Gerais, para toda a zona do Mercosul, e em Portugal, para a Europa.

Outro acordo assinado em Brasília assegura a participação do Brasil no centro de investigação internacional que será instalado nos Açores para investigação oceanográfica, aeroespacial e de climatologia e António Costa convidou todos os países do Atlântico para irem à Ilha de Santa Maria, em Abril, no lançamento deste centro.

Ao todo, foram assinados cinco documentos em domínios sobretudo tecnológicos, o que levou o Presidente brasileiro a dizer que este era um encontro entre “parceiros históricos com uma agenda moderna”.

Mas na agenda estiveram também as relações comerciais não só dos dois países, mas também dos dois blocos económicos a que pertencem. O chefe de Estado brasileiro pediu ao primeiro-ministro português que seja “a voz” do Brasil junto da União Europeia para que o acordo com o Mercosul seja assinado rapidamente. Costa não prometeu ser a voz, mas o advogado.

“Estamos prontos a trabalhar em conjunto, quer na base bilateral, quer em conjunto com terceiros países, quer em conjunto no Mercosul e na União Europeia, assim como trabalhámos com tanto sucesso em conjunto para a eleição de António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas. A única dificuldade que temos há-de ser na próxima Copa do Mundo”, afirmou o primeiro-ministro, que terminou a declaração a desejar “felicidades” ao novo e contestado Presidente brasileiro, Michel Temer.

A próxima cimeira bilateral vai decorrer em Portugal no próximo ano. Os dois governantes comprometeram-se a retomar a regularidade destes encontros, que foi interrompida durante o mandato de Dilma Rousseff. Há mais de três anos que não acontecia uma cimeira entre os dois países.

A cimeira Brasil-Portugal foi a terceira da verdadeira “ronda de cimeiras” que levou o primeiro-ministro até à América Latina. António Costa volta a Portugal na manhã de quinta-feira, a tempo do debate sobre o Orçamento do Estado.