“A continuidade do percurso é uma das principais armas do caminho-de-ferro”

"Nos tempos acelerados em que vivemos" passar mais de cinco minutos num transbordo "é suficiente para que uma pessoa opte por outro modo mais directo", diz director do Gabinete de Planeamento da CP.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Eduardo Zuquete, consultor e engenheiro de transportes, diz que “a continuidade do percurso é uma das principais armas do caminho-de-ferro” pelo que “fragmentar as viagens é retirar-lhe competitividade e constitui um convite a que as pessoas peguem no carro”. Este técnico, que já foi director do Gabinete de Planeamento da CP, diz que a partir do momento em que o modo rodoviário se democratizou, o caminho-de-ferro deveria apostar em aumentar a frequência, reduzir o número de paragens e garantir a continuidade das viagens para evitar os transbordos. E mesmo estes, diz, não deveriam exceder os cinco minutos porque “nos tempos acelerados em que vivemos, isso é suficiente para que uma pessoa opte por outro modo mais directo”.

A ideia de continuidade leva-o a afirmar que, idealmente, deveria haver ligações ferroviárias directas entre Santiago de Compostela e Faro, servindo assim o eixo litoral da Península. E questiona-se por que é que o Alfa Pendular não pára no Pragal, impedindo assim que uma zona tão povoada tenha ligações directas para o Porto. “E em relação ao Porto, eu acho que nenhum comboio deveria terminar a sua marcha no Porto – todos deveriam continuar para Viana, Guimarães, Braga ou Régua”, diz.

António Brancanes, presidente da APAC (Associação Portuguesa dos Amigos dos Caminhos-de-Ferro), diz que a existência de muitos transbordos “resulta da desarticulação da filosofia de rede e é o corolário de décadas de desinvestimento em termos operacionais e de recursos”.

Para o representante desta opinião pública esclarecida que são os 1300 membros desta associação, a falta de continuidade dos percursos reflecte uma falta de reflexão sobre aquilo que deveria ser a rede ferroviária nacional. Apesar de tudo, reconhece que a CP tem procurado ultimamente corrigir algumas situações.