Em vésperas de Dia da Poupança, CGD vende diamantes aos clientes

Banco do Estado enviou um catálogo de jóias, a pagar a crédito, com juros que podem chegar a 17,3%. Outras instituições financeiras fazem o mesmo.

Foto
A venda destes produtos é uma prática de há vários anos, que alguns bancos abandonaram durante a crise Fabio Augusto

E por que não investir mais de seis mil euros em diamantes? É o que está a propor a Caixa Geral de Depósitos (CGD) a um universo alargado de clientes, associando a “Colecção Diamantes” a um investimento sem risco. Em vésperas do Dia Mundial da Poupança, que se assinala nesta segunda-feira, o banco público apostou na promoção de brincos, anéis e colares, que no conjunto custam 6575 euros, mas podem ser vendidos separadamente. Têm é forçosamente de ser pagos com cartões de crédito da CGD, que é o mesmo que dizer com recurso a crédito ao consumo.

O pagamento fraccionado pode chegar a 48 meses, com uma taxa de juro que depende dos prazos. Para 12 meses, a TAEG (taxa anual efectiva geral) atinge os 17,3% e, para quatro anos, chega a 15,2%. A venda de um anel com cinco diamantes custa 1995 euros no momento da compra e fica em 2616,48 euros no final do crédito a 48 meses.

A venda destes produtos não é ilegal e é uma prática de há vários anos, que alguns bancos abandonaram durante a crise, mas em que outros continuam a apostar activamente. Estas vendas estão sempre associadas a crédito ao consumo, com taxas de juro variáveis mas sempre elevadas, o que é muito bom para os bancos.

O pretexto da CGD não foi o Dia da Poupança, mas a época de Natal que se aproxima. Mas é mais do que uma sugestão de presente, configura mesmo um aconselhamento financeiro: “Acresce que em alturas como a que vivemos, em que as oportunidades de investimentos sem risco escasseiam, esta sugestão [dos diamantes] apresenta-se como uma oferta de valor intemporal, materializando-se numa pedra valiosa, criada ao longo de milhares de anos e com capacidade para guardar e acumular valor, passível de ser transmitido de geração em geração”, lê-se numa mensagem enviada via e-mail. A campanha está a ser promovida no site do banco público e deverá estar a ser enviada através de outros suportes.

O PÚBLICO perguntou à CCD se tinha lançado algum produto de poupança ou campanha a propósito do dia que se assinala nesta segunda-feira e que em alguns países era comemorado com uma ida ao banco, com os filhos, para depositar o dinheiro acumulado nos mealheiros. Fonte oficial do banco respondeu que “não”. Questionado sobre se o envio do catálogo dos diamantes, em que o preço só está disponível no site e aos balcões, era a melhor forma de assinalar o dia, o banco disse que não iria responder.

Dos vinhos à Nossa Senhora de Fátima

Numa ronda pelos seis maiores bancos a operar em território nacional foi possível verificar que o Novo Banco e o Santander Totta abandonaram esta prática. Já a secção “Produtos Prestige” do BPI promove vinhos, champanhe, jóias, o Livro Sporting (custa 2259 euros). Também não faltam, entre outros, esculturas de Nossa Senhora de Fátima, com ouro e diamantes – o custo inicial é de 8900 euros, mas no final de 97 prestações já fica em 12.110,24 euros.

O Millennium BCP tem igualmente uma oferta variada no “Shopping”, como moedas, barras de ouro, terços Siza Vieira (2950 euros se for em ouro), os corações de Viana em filigrana, entre outros. No site deste banco, e em alguns produtos, a informação sobre o custo do crédito ao consumo não está muito clara. Por último, mas não menos recheada, é a oferta do Montepio, onde assumem destaque as obras de arte e as pérolas, mas também os vinhos, os pratos Vista Alegre e os famosos faqueiros. A TAEG pode superar os 17%.

No conjunto do sistema bancário nacional, os depósitos “estacionados” em contas à ordem atingem o impressionante valor de 43 mil milhões de euros, quase 30% dos depósitos totais (140.691 milhões de euros). Estes números espelham a inércia dos portugueses com a poupança, mas também a maior passividade dos bancos no aconselhamento de melhores aplicações. O dinheiro à ordem traz-lhes benefícios e ajuda a minimizar as menores rentabilidades no crédito concedido.

Mas na oferta de novos empréstimos, como é o caso do crédito ao consumo, os bancos estão bem mais activos no contacto com os clientes. E, muitas vezes, fica a faltar um telefonema ou uma mensagem a avisar para os riscos de entrar em terreno perigoso. O PÚBLICO perguntou à CGD se recentemente tem contactado os clientes para aplicar o dinheiro esquecido à ordem, mas o banco não respondeu. A Associação Portuguesa de Bancos também foi desafiada, a meio da tarde de sexta-feira, a comentar esta diferença de tratamento, mas não aceitou o repto.