O funeral festivo da Amor Fúria

Segunda-feira, em Lisboa, a editora de Os Velhos, Os Golpes, Manuel Fúria e os Náufragos ou Capitães da Areia dará por encerrada a sua actividade. E para o assinalar vai festejar.

Foto
Manuel Fúria é o rosto da Amor Fúria DR

É um funeral. Mas será também festa. É esta segunda-feira, 31 de Outubro, no MusicBox, em Lisboa, que a editora portuguesa Amor Fúria dará por encerrada a sua actividade, nove anos depois do início, com concertos e sessões DJ.

A celebração fúnebre, chamemos-lhe assim, contará com a presença da banda Real Orquestra do Campo Grande, especialmente formada para a ocasião, e que conta com os músicos Manuel Fúria (Golpes, Náufragos) no baixo, João Gil (Diabo na Cruz, Feromona, You Can’t Win Charlie Brown) nas teclas, Pedro Lucas (Os Velhos) na bateria e Tiago Brito (Capitães na Areia, Náufragos) na guitarra.

Os cantores serão de algumas das bandas que fizeram parte da Amor Fúria ao longo dos anos: Smix Smox Smux, Os Velhos, Os Golpes, Capitães da Areia, Salto, Os Quais, O Verão Azul, Feromona, O Deserto Branco ou Manuel Fúria e os Náufragos.

O colectivo tocará temas da editora e a noite terminará com o radialista Pedro Ramos, o ex-Heróis do Mar Rui Pregal da Cunha ou Gonçalo Mendonça a animarem a pista de dança. O cenário será o de um funeral, sendo pedido aos espectadores que, se possível, também trajem a preceito. Ao longo dos anos a editora distinguiu-se por tentar reconciliar a língua portuguesa com os códigos pop-rock. “Nascemos em 2007 e fizemos uma data de coisas estupendas e outros tantos erros crassos", afirma Manuel Fúria. "Editámos discos, organizámos concertos, colámos cartazes na rua, inventámos palavras novas, sonhámos gigantes, sempre motivados pela crença nas nossas próprias idiossincrasias, arrastados pela ideia de uma cultura popular portuguesa moderna."

Como tantos outros projectos a Amor Fúria resolveu cessar a sua actividade por motivos económicos, mas a maior parte dos envolvidos na aventura editorial vão continuar naturalmente a sua actividade artística.