Estado Islâmico levou oito mil famílias para dentro de Mossul para servirem de escudo humano

Nações Unidas acusam o grupo de ter executado 232 pessoas nos últimos dias: quem não quis ir dos arredores para a cidade foi imediatamente morto a tiro.

Combatente curdo tira selfie com crianças de aldeia nos arredores de Mossul, retomada ao Daesh
Foto
Combatente curdo tira selfie com crianças de aldeia nos arredores de Mossul, retomada ao Daesh ARI JALAL/Reuters

Os combatentes do Estado Islâmico juntaram dezenas de milhares de pessoas – homens, mulheres e crianças – que esperam usar como escudos em Mossul, cidade iraquiana que está a ser alvo de uma operação militar que visa libertá-la das mãos dos islamistas.

A acusação é da agência de direitos humanos das Nações Unidas, que acrescentou que os combatentes, que controlam a cidade, mataram pelo menos 232 pessoas num dia na cidade de Mossul: pessoas que recusaram obedecer ou eram antigos membros do exército iraquiano.

“A estratégia perversa e cobarde do ISIL [sigla pela qual também é conhecido o Estado Islâmico] é tentar usar a presença de civis para tornar certas zonas impunes às operações militares, utilizando efectivamente dezenas de milhares de mulheres, homens e crianças como escudos humanos”, disse o alto comissário da ONU para os direitos humanos, Zeid Ra'ad al Hussein. O uso de escudos humanos, acrescentou, é proibido pela lei internacional.

Estas pessoas, afirmou antes uma porta-voz do mesmo organismo, terão sido forçadas a sair das suas casas em localidades à volta da grande cidade, pelos combatentes islamistas que controlam a cidade, que as levaram para dentro da própria cidade, com o objectivo de os poder ter perto de instalações militares. Trata-se de quase oito mil famílias, de cerca de seis pessoas cada. “Os que se recusaram a ir foram mortos a tiro no local”, disse ainda a porta-voz.

PÚBLICO -
Aumentar

A operação militar que começou a 17 de Outubro tem-se focado primeiro em tomar localidades nos arredores como preparação para depois se mover para a própria cidade. Os Estados Unidos, que apoiam o exército iraquiano, já tinham avisado para o uso de escudos humanos pelo Estado Islâmico.

Por outro lado, tem havido também preocupação com assassínios de retaliação a pessoas suspeitas de terem apoiado o grupo jihadista. Alguns aldeães de localidades perto foram impedidos de voltar às suas casas por haver suspeitas de que possam ter apoiado os islamistas. Estas pessoas, insistiu o alto-comissário, devem ter direito a julgamento.

Às preocupações sobre os civis no local, que estão a ser impedidos de sair por atiradores furtivos, segundo relatos de alguns que escaparam, usados como escudos humanos, ou sujeitos a serem atingidos pelas tropas que avançam, juntam-se suspeitas de uso de armas proibidas: A organização de defesa de direitos humanos Amnistia Internacional diz ter informações credíveis sobre o uso de fósforo branco à volta de Mossul. 

O químico é usado para iluminar campos de batalha, mas o seu uso está proibido em zonas com civis: quando explode lança pedaços da substância numa área de 150 metros, e quando entra em contacto com o ar atinge temperaturas extremamente altas, e ao chegar à pele pode causar queimaduras até ao osso.

“Pedimos ao Iraque e às forças da coligação para não usarem fósforo branco perto de civis”, disse a Amnistia citada pelo diário britânico The Guardian