Morreu Jaime Fernandes, provedor da RTP e criador da Antena 3

O jornalista foi responsável por vários programas no serviço público de rádio. Tinha 69 anos.

Criou a Antena 3 e era o actual provedor do Telespectador da RTP. Jaime Fernandes morreu esta quinta-feira, com 69 anos. A notícia foi avançada pelo próprio canal público de televisão, onde apresentava o programa A Voz do Cidadão, emitido aos sábados.

O antigo redactor-locutor do serviço de noticiários do Rádio Clube Português, onde iniciou a sua carreira e se manteve até pouco depois do 25 de Abril, ocupava o cargo de provedor do Telespectador da RTP desde 2013. Sucedeu a José Carlos Abrantes e, à data, a sua escolha não foi consensual. Como o PÚBLICO escreveu, alguns conselheiros pediam alguém com mais "distância e independência em relação à empresa".

A sua vida profissional foi sobretudo dedicada ao serviço público radiofónico. Em 1989 chegou à administração da RDP, tendo permanecido no cargo durante cinco anos. Foi depois responsável pela criação da Antena 3, em 1994. Seguiram-se então os cargos enquanto director dos canais internacionais de televisão da estação pública. Em 2012 foi um dos autores da série da RTP Estranha Forma de Vida – Uma História da Música Popular Portuguesa, que contou, em 26 episódios, o percurso da música popular portuguesa desde a década de 30 até à actualidade.

Jaime Fernandes foi também director de programas da Rádio Comercial e autor do nome do conhecido programa da RFM Oceano Pacífico. Além de provedor, integrava ainda a administração da Meo/Arena, onde estava envolvido na organização dWeb Summit, escreve a Lusa.

"Senhor da televisão, homem da música"

Ao longo do dia várias personalidades lembraram o antigo redactor-locutor. Entre elas, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que lamentou a "morte prematura", recordando "o grande profissional que deixa boas memórias entre os pares e junto dos portugueses". O chefe de Estado referiu-se a Jaime Fernandes como "uma voz da rádio, desde os tempos da Emissora Nacional, um senhor da televisão, como provedor do Telespectador na RTP, um homem da música" e, acima de tudo, um comunicador.

"Lamento a morte prematura de Jaime Fernandes e endereço à sua família as mais sentidas condolências, lembrando o grande profissional que deixa boas memórias entre os seus pares e junto dos portugueses", disse Marcelo Rebelo de Sousa numa mensagem publicada na página da Internet da Presidência da República.

O presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), Carlos Magno, lamentou a morte do provedor. "Era a voz portuguesa da Música na América [programa radiofónico de Jaime Fernandes]", disse Carlos Magno, em declarações à agência Lusa.

Carlos Magno recordou que conheceu Jaime Fernandes à distância, através dos seus programas de rádio, e depois profissionalmente, elogiando as suas capacidades. "Era um grande profissional e um gentleman", sublinhou.

Luís Filipe Castro Mendes, ministro da Cultura, lembrou Jaime Fernandes como uma "personalidade marcante da comunicação social".