Opinião

O grau zero da democracia

É o desnorte da globalização, com as suas insustentáveis assimetrias, que favorece a emergência de um Putin – ou de um Trump.

Que uma personagem tão caricatural, execrável e inverosímil como Donald Trump possa aspirar a ser Presidente da maior potência ocidental – e arraste atrás de si tantos milhões de eleitores, embora insuficientes, felizmente, para garantir-lhe a vitória – é um sinal alarmante da degradação da democracia na América. Mas se pensarmos que esse sinal já se projecta noutras regiões do planeta, desde a Ásia à própria Europa, então os motivos de preocupação ganham proporções inéditas nas últimas décadas, mais concretamente desde o pós-Guerra.

No Oriente, temos o caso extremo das Filipinas, em que um assassino confesso ocupa a chefia do Estado, enquanto na Europa um pequeno déspota xenófobo é primeiro-ministro húngaro – inspirando a orientação de vários governos do centro-leste europeu – e a líder da extrema-direita ‘soberanista’ é dada quase como certa na segunda volta das presidenciais francesas do próximo ano. 

Estes são apenas alguns exemplos de um panorama em que as tentações populistas e autoritárias mais irracionais se multiplicam um pouco por toda a parte e o desencanto com o legado democrático alastra entre populações onde ele parecia mais fortemente implantado. Estaremos, assim, perante uma crise global das democracias, um canto do cisne das promessas da globalização do mercado livre e, por extensão irresistível, das sociedades abertas em que ele deveria, supostamente, prosperar?

Ora, precisamente, um denominador comum deste fenómeno é a tendência crescente para o isolacionismo, o fechamento das fronteiras, o temor do estrangeiro – alimentado, é certo, pelo terrorismo – e, last but not the least, a recusa da globalização. Uma globalização que, cavalgando na onda do capitalismo financeiro e da desregulação dos mercados, foi ampliando o número daqueles que dela se sentem excluídos e vítimas, com ou sem razão objectiva – mas reféns de fantasmas que os aprisionam nos seus medos.

É o desnorte da globalização, com as suas insustentáveis assimetrias, que favorece a emergência de um Putin – ou de um Trump. Não é por acaso que Trump se mostra tão complacente ou mesmo cúmplice do instinto predador de Putin. Como também não é por acaso que este se considera invulnerável na sua fuga para a frente, na Ucrânia, na Síria ou na espionagem electrónica da campanha democrática americana, canalizada para os falsos rebeldes e idiotas úteis da Wikileaks. Eis o preço de um mundo desregulado e caótico.

A 8 de Novembro os americanos vão votar em dois candidatos nos quais, segundo as sondagens, uma significativa maioria deles não confia. Trump é o que se sabe, mas Hillary Clinton – que, em circunstâncias normais, deveria ganhar por larguíssima maioria face a um perigoso marginal – não escapa ao estigma da duplicidade, do cinismo e da promiscuidade de interesses que acabaram por moldar o perfil mais sombrio da sua personalidade. 

Casos como os da Fundação Clinton, os milhares de e-mails confidenciais enviados do seu servidor pessoal, as suas relações com Wall Street e os poderes do dinheiro – de que agora tenta demarcar-se – tornaram-na alvo da desconfiança popular, especialmente face a um eleitorado em guerra com o establishment, e exposta, assim, à vulgaridade obscena de Trump. Que este tenha, afinal, acabado por perder definitivamente o pé por causa da divulgação de um vídeo de conteúdo sexista e rasca, mostra o nível de alternativas políticas a que chegou a democracia americana.

Se fosse americano, votaria decerto em Hillary, mas por defeito. Para tentar escapar ao grau zero da democracia que ameaça a América – e o mundo.