GNR reforça dispositivo para caça ao homem em São Pedro do Sul

População de Candal, Póvoa das Leirias e Coelheira já pode sair de casa. Polícia pede que qualquer avistamento do fugitivo seja comunicado pelo 112 ou pelo número 232 467 940.

Foto
Hugo Santos

A caça ao homem suspeito de ter matado um militar e um civil, e baleado outras três pessoas, continua esta quarta-feira, mas a GNR abandonou o pedido para que os residentes das localidades de Candal, Póvoa das Leirias e Coelheira, na região de São Pedro do Sul, se mantivessem no interior das suas residências.

“A GNR informa que que não será necessário manter esta medida durante o dia, podendo os residentes regressar às suas actividades diárias”, escreve aquela força policial num comunicado emitido na manhã desta quarta-feira, em que garante que naqueles locais está “um forte dispositivo que pretende garantir, em primeiro lugar, a segurança de todos os habitantes”.

Numa altura em que a Estrada Nacional 326, que faz a ligação entre São Pedro do Sul e Arouca, foi reaberta ao trânsito, a GNR mantém ainda assim um apelo para que as pessoas continuem atentas, devendo face a qualquer suspeição alertar a polícia pelo 112 ou pelo número 232 467 940.

O dispositivo policial foi reforçado esta manhã, reunindo militares dos comandos territoriais de Viseu, Aveiro e Guarda, e agentes da Unidade de Intervenção especializados em operações especiais e manutenção da ordem pública e cinotecnia.

Tudo para deter o principal suspeito da prática dos crimes ocorridos na madrugada de terça-feira na zona de Aguiar da Beira. Na sequência de uma acção rotineira de patrulhamento, na zona industrial de Aguiar da Beira, dois militares da GNR foram baleados por um homem que terá sido surpreendido a furtar cobre de um hotel que está em construção naquele local isolado. Carlos Caetano, de 29 anos, morreu, enquanto o outro militar, de 41 anos, foi transportado para o Hospital de S. Teotónio, em Viseu, com um traumatismo crânio-encefálico, mas aparentemente está fora de perigo. Terá sido este a explicar à Polícia Judiciária que foi obrigado pelo criminoso a meter o colega na bagageira do carro de patrulha. Este viria a ser encontrado ainda com vida a cerca de cinco quilómetros do local dos disparos, morrendo pouco depois.

Mulher baleada em estado crítico 

Na fuga às autoridades, o autor dos disparos, entretanto identificado como Pedro Dias, e já referenciado pelas autoridades por furtos anteriores, deixou outras vítimas: um casal foi interceptado e baleado – o homem acabou por morrer no local e a mulher foi ontem operada a um traumatismo crânio-encefálico, também no Hospital de Viseu. Fonte deste hospital divulgou esta manhã que a mulher está "em estado crítico e prognóstico reservado" nos cuidados intensivos.

Nas horas que se seguiram, e já em São Pedro do Sul, o fugitivo disparou sobre outro militar da GNR, ferindo-o nas pernas, mas o seu estado não inspira grandes cuidados médicos.