Michaela Rehle/Reuters
Foto
Michaela Rehle/Reuters

Megafone

Não podemos salvar todos

Na vida real, o que acontece é ver muitas partilhas e apelos de animais que precisam de uma segunda oportunidade — e não conseguir fazer nada

A dura realidade do voluntariado é esta: não conseguimos chegar a todos aqueles que precisam de nós. A verdade é que, quando vestimos a camisola do voluntariado e da causa animal, queremos muito ser uma espécie de super-herói e salvar este, aquele e o outro. Mas isso é uma coisa que só acontece na nossa imaginação.

Na vida real, o que acontece é ver muitas partilhas e apelos de animais que precisam de uma segunda oportunidade — e não conseguir fazer nada. É ter conhecimento de situações de maus tratos — e não conseguir fazer nada. É ler notícias sobre eventos "culturais" nos quais os animais são feridos e utilizados para o prazer dos humanos — e pouco ou nada conseguir fazer para alterar isso. É frustrante. Dá vontade de chamar nomes muito feios aos protagonistas destas histórias, de partilhar nas redes sociais "vejam só quem é o verdadeiro animal aqui". Ou dizer coisas como "devias ser tu no lugar do cão".

Sim, tudo isso me passa pela cabeça. Tudo e mais alguma coisa que não posso escrever aqui. Às vezes escapa-me um ou outro "tweet" nesse sentido. Ups! Tenho chegado à conclusão de que a energia que se gasta a espalhar esse tipo de mensagem deverá ser utilizada para praticar o oposto. É por isso que rumo até ao albergue da UPPA — União para a Protecção dos Animais com a camisola de voluntária vestida e um sorriso nos lábios. Porquê? Porque lá encontro a Riva, a Mel, o Fred, a Brave, o Sky, a Belinha, a Grosy, o Ben, o Fuguita, a Lala, a Brisa, o Rocky, a Pitanga, o Zarco — e os outros "cãopanheiros" (são perto de 80, neste momento). São cães que têm um rosto e merecem uma oportunidade. Sei que não posso salvar todos os animais deste mundo. Dedico-me a salvar estes.

Como? Com mimos, passeios, devolvendo a alguns deles a confiança que perderam nos humanos que não os respeitaram. Às vezes perguntam-me qual é a história deste ou daquele cão que se encontra no albergue. Querem saber o motivo pelo qual foram parar ao albergue. Desconheço a história da maioria dos animais que lá se encontram. Não quero sequer saber muito sobre isso. Prefiro focar-me no presente, no aqui e no agora. No passeio que eu e a Mel vamos fazer, no "namoro" ao final do dia com a Riva. Nos banhos que o Fred e a Brave podem tomar no rio, perto do albergue. Na felicidade do Fuga ao ver uma trela e uma coleira. Nos beijinhos que a Unka e a Boba gostam de dar.

Não posso salvar todos. Farei o meu melhor para que estes amigos de quatro patas, que encontro semana após semana no albergue, tenham momentos felizes.