13 a favor, nenhum veto. Guterres a horas de liderar a ONU

À sexta votação, António Guterres recebeu luz verde para a liderança da ONU. Última votação realiza-se nesta quinta-feira. “Foi um grande trabalho da nossa diplomacia”, diz António Costa.

Foto
António Guterres chegará a secretário-geral depois de liderar o Alto Comissariado para os Refugiados Denis Balibouse/Reuters

Na votação em que, pela primeira vez, se soube o sentido de voto dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia), o português António Guterres recebeu luz verde para o cargo de secretário-geral da ONU.

Os embaixadores dos 15 países-membros do Conselho de Segurança da ONU apareceram juntos na votação e o antigo primeiro-ministro português não foi vetado por nenhum dos cinco membros permanentes do Conselho. A candidatura de Guterres recebeu 13 votos a favor, duas abstenções e nenhum veto. De acordo com a AFP, dos cinco membros permanentes, quatro deram voto favorável à candidatura do português e apenas um emitiu um voto sem opinião. A pedido da Rússia, a votação final realiza-se nesta quinta-feira.

Além de notar que Guterres era "claramente o favorito" para o cargo, Vitaly Churkin, o embaixador russo, que fez o anúncio, também desejou "boa sorte ao senhor Guterres no cumprimento dos seus deveres como secretário-geral das Nações Unidas nos próximos cinco anos”. 

António Guterres "será um secretário-geral muito forte e eficaz", afirmou o embaixador britânico, Matthew Rycroft, citado pela AFP. "É uma excelente notícia", disse ainda o embaixador francês, François Delattre. "As pessoas queriam unir-se em torno de uma pessoa que impressionou ao longo de todo o processo", disse a embaixadora norte-americana, Samantha Powell na conferência de imprensa.

O primeiro-ministro, António Costa, reagiu às votações desta tarde, congratulando-se pelo resultado obtido por António Guterres. “Como amigo, dá-me uma enorme satisfação”, assumiu Costa, lembrando o orgulho de vir a ter um português no mais alto cargo das Nações Unidas. “Foi um grande trabalho da nossa diplomacia, um grande esforço que todos temos feito, todos os órgãos de soberania, todos os partidos”, concluiu o primeiro-ministro.

A eurodeputada socialista Ana Gomes disse, em declarações à SIC Notícias, que o antigo primeiro-ministro é um homem “com coragem e com capacidade de diálogo com todos, mas também com capacidade de afirmar os seus princípios nas Nações Unidas”.

PÚBLICO -
Aumentar

Esta foi a primeira votação em que António Guterres concorreu com a búlgara Kristalina Georgieva, apoiada pela Alemanha, que obteve oito votos negativos.

Até agora, nas cinco votações realizadas, Guterres tinha conseguido a maioria de dois terços dos votos favoráveis dos membros do Conselho de Segurança, que é constituído por 15 países. Na última votação, realizada a 29 de Setembro, o candidato português obteve 12 votos favoráveis, dois votos desfavoráveis e um voto sem opinião.

Nessa quinta votação, a seguir a Guterres, no segundo posto, ficou Vuk Jeremic, ex-presidente da Assembleia das Nações Unidas e antigo ministro dos Negócios Estrangeiros da Sérvia. O terceiro lugar coube a Miroslav Lajcak, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Eslováquia.

Nota: o PÚBLICO citou brevemente uma mensagem publicada no Twitter em nome de António Guterres; a conta é falsa.