Torne-se perito

Há uma criança de sete anos a relatar a guerra de Alepo

Todos os dias a menina vai contando, com a ajuda da mãe, o dia-a-dia de quem vive no centro do conflito sírio, através do Twitter.

“Olá mundo, continuamos vivos. Acordámos vivos esta manhã”
Foto
“Olá mundo, continuamos vivos. Acordámos vivos esta manhã”, escreve Bana DR

Um sorriso tímido. No cabelo, flores cor-de-rosa. Sobre a mesa, um livro com ilustrações. No fundo do armário, uma boneca. A imagem poderia ser a do quarto de qualquer criança, não fosse acompanhado da legenda: "Boa tarde de Alepo. Estou a ler para esquecer a guerra." Bana al-Abed tem sete anos e mais de 13 mil seguidores no Twitter e número não pára de aumentar. Na sua conta, vai narrando a realidade de quem vive no meio da guerra. O relato é feito tweet a tweet a partir de Alepo. Cada um é uma prova de sobrevivência, mas também o registo de bombardeamentos, destruição, medo e morte.

As publicações começam a 24 de Setembro e são feitas em inglês, assinadas alternadamente entre mãe e filha. “Estou com muito medo de morrer esta noite. Estas bombas vão matar-me.” A esperança? “É passado”, lamenta a criança noutra publicação.

As frases vão sendo acompanhadas com vídeos e imagens que Fatemah, mãe de Bana, regista. Ora do bairro onde vivem, ora da criança e do irmão de cinco anos a ler ou desenhar. “A guerra é como este dinossauro e espero que se transforme em passado”, resume.

Bana e o irmão já não vão à escola, conta a mãe numa conversa com o Guardian. É demasiado arriscado, apesar de Bana, como qualquer criança, querer brincar na rua e sair de casa. Debaixo de bombardeamentos, dormir quatro horas é um milagre, relata Fatemah.

A ideia de criar uma conta no Twitter surgiu como vontade de voltar a ter uma vida “normal” em que as crianças possam ser crianças outra vez.

Em Agosto, o rosto ensanguentado de um menino que nasceu na guerra tornou-se viral. Com cinco anos, Omran Daqneesh nunca conheceu outra realidade para além do conflito que Alepo enfrenta. Bana vem lembrar que Omran não é um caso isolado e que os ataques não ocorrem só quando existem imagens virais. Na última quarta-feira, o director executivo da Unicef, Justin Forsyth, descreveu a situação em Alepo como o pior cenário a que já assistiu. “Nada pode justificar tais ataques a crianças e o total desrespeito pela vida humana. O sofrimento e o choque entre as crianças é definitivamente o pior que já vi”, disse.

“Temos de as proteger. Nós vivemos parte das nossas vidas, mas as nossas crianças não”, continua Fatemah. “A guerra eliminou tudo a que chamamos 'vida'”, diz e questiona quanto tempo irá sobreviver até ao dia seguinte. 

Sugerir correcção