O MAAT traz novas formas arquitectónicas a Lisboa

Novo museu da EDP faz uma abertura antecipada para coincidir com a Trienal de Arquitectura. Uma semana para discutir a forma da arquitectura e do MAAT.

Fotogaleria
A cobertura do MAAT é visitável 24 horas por dia Miguel Manso
Fotogaleria
O novo museu da EDP só abrirá em Belém definitivamente em Março Miguel Manso
Fotogaleria
“As pessoas quase sem se aperceberem já poderem estar dentro do edifício", diz o director Miguel Manso

Nada como a pressão de uma inauguração para acelerar a conclusão de uma obra de arquitectura. O Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia, que só promete estar completamente acabado em Março, vai fazer uma abertura provisória esta semana, quarta-feira, para celebrar a Trienal de Arquitectura de Lisboa e permitir aos lisboetas espreitarem e começarem a compreender o edifício que surgiu à beira Tejo na zona de Belém e pertence à Fundação EDP.

Os dois eventos cruzam-se neste momento especial em que a cidade de Lisboa vai passar a exibir formas arquitectónicas que têm estado pouco presentes, ou mesmo ausentes, do seu património construído mais recente. Desenhado pela arquitecta britânica Amanda Levete, e erguido ao lado da central eléctrica feita em tijolo no início do século XX, o novo edifício do MAAT não deixa de reinterpretar com as suas formas fluídas os materiais que mais tradicionalmente associamos à cidade de Lisboa: azulejos e o lioz da calçada portuguesa. Ambos, no entanto, são-nos devolvidos de maneiras inesperadas, uma vez que o lioz que nos habituámos a pisar no chão, por exemplo, se vai transformando num terraço para ver o Tejo, um novo espaço público da cidade visitável 24 horas por dia. Já as 14.936 placas de cerâmica que cobrem a fachada, a entrada do museu e parte do restaurante têm a forma de um trapézio e espelham na sua superfície vidrada a luz da cidade que evolui ao longo do dia.

Nessa relação com o rio, o edifício oferece-se em toda a sua extensão à cidade como um miradouro à beira da água, uma lomba que no seu ponto mais alto nos coloca encostados a uma guarda a ver o Tejo numa perspectiva dramática, como se estivéssemos num paquete. Daqui de cima, não se vê terra, só água, mostrando como a cobertura do novo MAAT quase toca a margem e altera o perfil da beira-rio. 

PÚBLICO -
Foto
As 14.936 placas de cerâmica que cobrem a fachada, a entrada do museu e parte do restaurante têm a forma de um trapézio e espelham na sua superfície vidrada a luz da cidade que evolui ao longo do dia Miguel Manso

Pedro Gadanho, que abandonou o departamento de arquitectura do Museum of Modern Art (MoMA) de Nova Iorque, onde fazia parte da equipa de curadores, para vir dirigir o MAAT, explica a geneologia da arquitecta Amanda Levete. “Traz atrás de si uma experiência de ideias arquitectónicas que apontam para uma lógica bastante progressista. Questões que passam por alterações da linguagem arquitectónica a que estamos habituados.” 

Levete, que se juntou a Jan Kaplický no atelier Future Systems antes de formar o seu próprio escritório em Londres em 2009, é autora da futura extensão do Victoria & Albert Museum, um dos mais populares museus londrinos. Ganhou em 1999 com Kaplický, na altura seu marido, o Prémio Stirling pelo projecto para o centro de media do Lords Cricket Ground, uma estrutura que parece saída de um filme de ficção científica. A obra de Lisboa foi-lhe atribuída por convite directo sem concurso e quando foi apresentada em 2011 por António Mexia, o presidente executivo da EDP, tinha um orçamento previsto de 19 milhões de euros (foi ultrapassado, mas a EDP ainda não revelou esse valor).

Sobre como a cidade vai receber e integrar esta nova linguagem, Pedro Gadanho espera que seja semelhante ao que aconteceu no Porto com a Casa da Música, diz-nos durante uma visita guiada à obra: “Tal como a Casa da Música introduziu uma linguagem arquitectónica completamente diferente e gerou, para além de reacções polémicas, o abraçar de um espaço que era inteiramente novo e diferente daquilo que era habitual em Portugal, acho que agora isso vai acontecer em relação a Lisboa.” 

Pedro Gadanho põe as duas obras num plano semelhante “em termos do potencial de impacto público”: “São ambos edifícios culturais que tornam muito mais franco o acesso a uma linguagem arquitectónica diferente, ao contrário daquilo que foram algumas experiências da Expo-98 ou o próprio CCB, mais alinhado com uma linguagem arquitectónica mais tradicional dentro da corrente moderna, e mesmo o Museu dos Coches de Paulo Mendes da Rocha, que tem muitas ligações à escola portuguesa e ao modernismo mais tradicional.”

Sobre “a forma da forma” do MAAT - e pedindo emprestado o título da exposição que a Trienal de Arquitectura vai abrir ao público na quarta-feira no museu da EDP - André Tavares, o curador-geral do evento (com Diogo Seixas Lopes, desaparecido este ano), comenta que “a obra inscreve-se na tão popular ‘tradição do novo’, em que formas voluptuosas procuram reinventar a frieza das convenções”. “É uma obra que abre portas à imaginação.”

11 inaugurações na trienal

A trienal, com uma intensa agenda de onze inaugurações marcadas até ao final da semana, começa exactamente com A Forma da Forma, que constrói no exterior do MAAT, actual recinto da Central Tejo, vários espaços inspirados nas obras de três arquitectos - Kersten Geers (Bélgica), Mark Lee (EUA) e Nuno Brandão Costa (Portugal) -, com o objectivo de demonstrar o significado da forma no passado, no presente e no futuro do desenho da arquitectura. “Os arquitectos são autores e têm uma responsabilidade para com a sociedade que se sintetiza na forma. A forma engloba em si um conjunto de decisões e opções que têm um impacto na estrutura da sociedade em geral.” 

Há um pouco a ideia, acrescenta André Tavares (também crítico de arquitectura do PÚBLICO), que os arquitectos fazem a forma pela forma, dando o exemplo recente do epípeto “diamante de Antuérpia”, aplicado ao último projecto feito pela arquitecta Zaha Hadid, um edifício portuário inaugurado este mês na Bélgica, para pegar num exemplo de uma arquitectura também ligada a espaços fluídos. “Essa forma tem muitos outros sentidos que não são apenas simbólicos mas também operativos.” 

Os outros sentidos que uma forma pode ter servem para passar à segunda exposição da trilogia organizada pela trienal, intitulada Obra e dedicada à construção, que propõe na Fundação Calouste Gulbenkian uma reflexão sobre os estaleiros e o seu impacto na prática da arquitectura, com curadoria do próprio André Tavares. “Quando se decide construir uma forma em bet��o armado, está-se a tomar uma decisão com um impacto social, ecológico e económico que é radicalmente diferente de se construir a mesma forma em madeira ou em pedra. É nessas passagens, nesses espaços entre as exposições da trienal, que se consegue reobservar a cidade a partir destes temas que a arquitectura lança e que são a própria arquitectura, como a autoria, a construção e finalmente o uso. Concebem-se as formas, constroem-se as formas e utilizam-se as formas.” 

O ciclo das exposições principais termina com o uso das formas na exposição O Mundo nos nossos Olhos no Centro Cultural de Belém, com curadoria dos arquitectos Fabrizio Gallanti e Francisca Insulza. “No CCB fala-se na representação que os arquitectos fazem desses usos, que é sempre ambígua, e é o alimento de uma releitura da própria cidade pelos arquitectos. É através dessas releituras que se encontram caminhos para novos projectos. Não há evolução da arquitectura sem construção.” 

PÚBLICO -
Foto
A descoberta do interior vai começar com a chegada à Galeria Oval, onde a francesa Dominique Gonzalez-Foerster apresenta Pynchon Park Miguel Manso

Em frente ao MAAT, perguntámos a André Tavares o que pode vislumbrar no estaleiro do novo museu? - uma vez que a exposição da Gulbenkian é exactamente sobre o trânsito entre desenho e construção na arquitectura, embora não analise o projecto do MAAT. “As portas deixam de ser portas e as janelas deixam de ser janelas. Os referentes convencionais da arquitectura desaparecem. Nas formas fluídas, neste contínuo espacial, o tecto transforma-se em chão e o chão em tecto.” Uma das coisas interessantes, a poucos dias da entrega da obra, é que ainda são visíveis os processos de construção que lhes estão subjacentes. Ainda há paredes levantadas que mostram as estruturas e os interstícios, aponta o curador da trienal: “Vêem-se as razões e o peso dos materiais que muitas vezes desaparecem sob a pele que finaliza a obra.”

Uma galeria oval

O que interpela mais o novo director do MAAT no edifício é a sua relação muito fluida com a rua: “As pessoas quase sem se aperceberem já poderem estar dentro do edifício. Quase só por intuição e ao procurarem perceber o que é aquilo, desembocam dentro do edifício, fugindo às regras muito clássicas de entrada central. O potencial convidativo do edifício é muito grande.”

Lá dentro, na quarta-feira, a descoberta do interior vai começar com a chegada à Galeria Oval, onde a francesa Dominique Gonzalez-Foerster apresenta Pynchon Park, uma obra site-specific encomendada para o espaço central em forma de elipse do MAAT. “A Dominique apanhou muito bem o facto de o espaço se percepcionar primeiro a partir de cima de uma forma que não é habitual. Os artistas gostam muito do espaço porque é muito diferente.” Já se vê a rede que cobre todo o espaço, como se fosse um tecto baixo a que chegamos facilmente levantando um braço.

Pynchon Park é a primeira parte da exposição Utopia/Distopia, cujo segundo andamento será apresentado em Março quando o MAAT abrir em definitivo. A artista concebeu um recinto, explica o director, “que é uma ficção onde uma espécie alienígena estuda o comportamento humano, e em que os próprios visitantes do museu “executam uma performance ao usufruir do espaço”.

Com um orçamento de programação e lançamento de cerca de dois milhões de euros para este ano, estão previstas 12 horas de eventos com entrada gratuita, com início ao meio-dia, que repetem alguma da programação de 4 de Outubro na inauguração só para convidados. Ryoji Ikeda, Zebra Katz ou Nástio Mosquito, artistas que cruzam a música e as artes visuais, são alguns dos nomes que vão permitir descobrir as outras galerias.