Opinião

Novas tecnologias em diabetes: o caso português

Estão estas inovações terapêuticas ao dispor dos diabéticos portugueses? A resposta é sim e não.

Segundo o Observatório da Diabetes 2015 a prevalência da diabetes é de 13,1% da população portuguesa (20-70 anos) dos quais 5,7% não sabem que são diabéticos.

A diabetes tipo 1 é o tipo menos frequente de diabetes mas atinge pessoas em idades mais frágeis (crianças e adolescentes), e obriga à administração diária de várias injecções de insulina para toda a vida. A diabetes tipo 2 é mais comum em pessoas adultas e obesas e o tratamento inicial é emagrecer e antidiabéticos orais.

Para ajudar ao melhor tratamento da diabetes têm sido desenvolvidos na última década vários produtos que genericamente podemos chamar de novas tecnologias para o tratamento da diabetes. Fazem parte do grupo das novas tecnologias as bombas infusoras de insulina, os sensores subcutâneos da glicose intersticial, a monitorização da glicose retrospectiva ou em tempo real, as aplicações para contagem de equivalentes alimentares, de calorias e escolha de alimento.

As bombas infusoras de insulina têm uma utilização preferencial na diabetes tipo 1 enquanto os restantes produtos podem ser utilizados na diabetes tipo 1 e tipo 2.

Estão estas inovações terapêuticas ao dispor dos diabéticos portugueses? A resposta é sim e não. Sim porque de facto há diabéticos portugueses que as utilizam, não porque apenas um pequeno número a elas tem acesso.

Em Portugal temos cerca de 50 000 diabéticos tipo 1 (5-10% de todos os diabéticos segundo o Atlas da Diabetes). Em 2016 apenas 1150 doentes estão em tratamento com bomba infusora, o que corresponde a 2,3% dos diabéticos tipo 1. A média europeia é de 15%-20% dos diabéticos tipo 1 em tratamento com bomba infusora.

O tratamento da diabetes tipo 1 com bomba infusora está em crescendo em todo o mundo pois os estudos repetidamente mostram que melhora o controlo da doença, reduz as complicações, reduz o número e gravidade das hipoglicemias e é custo-efectivo ou seja poupa-se dinheiro na redução muito significativa das hipoglicemias, em internamentos e no tratamento das complicações.

Segundo um trabalho apresentado no Congresso Português de Endocrinologia 2016, tendo como base a avaliação de diabéticos tipo 1 portugueses em tratamento com bomba infusora, pode-se concluir pela poupança anual de 3.500 euros/doente no curto prazo e de 6.600 euros/doente ano no longo prazo.

A dotação orçamental para comprar bombas e consumíveis é, desde o início muito pequena. Durante alguns anos houve um pequeno aumento no orçamento e nas bombas adquiridas mas muito insuficiente para as necessidades. Com o decorrer dos anos as novas bombas de insulina começam a ser utilizadas na substituição das antigas (o tempo médio de vida são 6 anos) e portanto menos novos doentes podem ser tratados. Com apenas 2,3% dos diabéticos tipo 1 tratados com bomba infusora as listas de espera são, de facto, muito grandes.

A resolução n.º 93/2016 da Assembleia da República vai no bom sentido pois nas alíneas 7, 8 e 9 apela a que sejam desencadeadas “acções necessárias para garantir o acesso à terapêutica com sistema de perfusão contínua de insulina a todas as crianças com diabetes tipo 1 até aos 10 anos que possam beneficiar desta terapêutica e equacionar forma de reduzir a lista de espera com o alargamento a outros escalões etários”.

Após a aprovação desta resolução ainda nada foi feito no sentido de a concretizar continuando os médicos a ter de, junto dos doentes e famílias, alimentar a esperança e uma expectativa positiva.

Em conclusão: algo de muito importante tem/deve ser feito para mudar a presente situação. Cabe ao Ministério da Saúde dotar o programa português de bombas infusoras de insulina de um orçamento que permita tratar muitos mais doentes e de uma nova estratégia que de facto possa reduzir o atraso do nosso País nesta forma de tratamento da diabetes. A Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo e os endocrinologistas portugueses estão completamente disponíveis para cooperar com a tutela no objectivo de melhorar o tratamento dos diabéticos portugueses.

Presidente da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, Director do Serviço de Endocrinologia e Diabetes do CHUC - Coimbra

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações