Grupo de Comandos do 127.º curso reduzido a menos metade

A lista de desistências aumentou para 26 e outros nove militares foram eliminados do curso de Comandos de que faziam parte os dois militares que morreram no início do mês.

Foto
Imagem de arquivo de Comandos Pedro Cunha/Arquivo

O número de formandos que iniciaram o 127.º Curso de Comandos – e do qual faziam parte os dois militares que morreram durante os treinos – está reduzido a menos de metade. Até 15 de Setembro, já tinham saído 17 militares e a estes somam-se agora mais nove novas desistências e nove militares que foram eliminados.

Contas feitas, "dos 67 formandos que iniciaram o 127.º Curso de Comandos, prosseguem 30". A informação foi avançada pelo Exército esta segunda-feira, através de um comunicado. No total, abandonaram o curso, por desistência e por terem sido “eliminados”, três oficiais, quatro sargentos e 28 soldados. 

Num segundo comunicado também emitido nesta segunda-feira, o Exército garante continuar "a prestar toda a colaboração que lhe é solicitada pelo Ministério Público e pela Polícia Judiciária Militar", e sublinha que os trabalhos de investigação decorrem "com rigor e transparência", de forma a determinar "as circunstâncias em que ocorreram as mortes dos dois militares e a eventual existência de indícios de responsabilidade disciplinar imputável a qualquer militar". Por isso, o "Exército solicitou ao INEM e aos hospitais do Barreiro e Curry Cabral o envio dos relatórios" do socorro aos militares que morreram e irá fazer o mesmo aos relatórios das autópsias, assim que estiverem disponíveis, adianta. 

No mesmo documento, o porta-voz do Exército, o tenente-coronel Vicente Pereira, informa que "não tendo sido constituído como arguido qualquer militar, não existe fundamento para a suspensão de funções de qualquer dos elementos que integram as equipas de instrutores" do curso em questão.

À data das primeiras desistências, o tenente-coronel Vicente Pereira afirmou que só por “pura especulação” se pode dizer que foram os óbitos a motivar o abandono do curso, tendo a diminuição do número de alunos sido encarada como de acordo com o padrão "natural".

Na semana passada, familiares de Hugo Abreu, um dos dois comandos do Curso 127 que morreram, denunciaram que o soldado terá sido obrigado a comer terra já depois de entrar em convulsão.