Torne-se perito

O maior radiotelescópio do mundo já está a escutar o Universo. Fica na China

Há vida inteligente por aí fora da Terra? Telescópio irá procurar uma resposta.

O radiotelescópio FAST, na China
Foto
O radiotelescópio FAST, na China STR/AFP

O maior radiotelescópio do mundo começou a funcionar este domingo, no Sudoeste da China, no âmbito de um projecto cuja ambição é, segundo a agência de notícias Nova China, a detecção de vida extraterrestre inteligente.

Baptizado Five-hundred-metre Aperture Spherical Radio Telescope (FAST), o telescópio apresenta uma abertura esférica de 500 metros de diâmetro, cobrindo uma superfície equivalente a 30 campos de futebol. Está instalado numa zona rural de Pingtang, na província de Guizhou, entre três colinas.

A construção do telescópio, que começou em 2011, custou 1200 milhões de yuans (165 milhões de euros) e ultrapassa em dimensão o radiotelescópio de Arecibo, instalado na ilha de Porto Rico e que tem 305 metros de diâmetro.

A grande sensibilidade do FAST irá “ajudar a procurar vida inteligente fora da nossa galáxia”, disse o director-geral da Sociedade de Astronomia chinesa, Wu Xiangping, em declarações no ano passado à agência Nova China.

Cerca de dez mil pessoas que viviam num raio de cinco quilómetros à volta do dispositivo de escuta das ondas rádio do Universo foram realojadas mais longe para deixar espaço para o telescópio. Centenas de milhares de chineses já foram deslocados dos sítios onde viviam para que fossem construídos grandes infra-estruturas, como barragens e canais. Muitos queixaram-se de que as indemnizações foram bastante baixas.

As autoridades de Pequim argumentam que estes investimentos na astronomia permitem acelerar o programa de exploração espacial de milhões e milhões de euros, com a ambição de instalar uma estação permanente em órbita da Terra em 2020, com vista ao envio de humanos para a Lua.

Sugerir correcção