Michael Palin fala da crueldade que a doença impõe a Terry Jones

Num post na sua página de Facebook, o Monty Python afirma que tem sido "doloroso ver o progresso da demência" diagnosticada ao velho companheiro do grupo de humoristas britânicos.

Terry Jones vai ser homenageado na próxima gala dos BAFTA Cymru, no País de Gales
Foto
Terry Jones vai ser homenageado na próxima gala dos BAFTA Cymru, no País de Gales Nuno Ferreira Santos

Michael Palin continua a encontrar-se regularmente com Terry Jones para uma refeição no pub frequentado pelo seu velho companheiro nos Monty Python. Michael conta que Terry “não fala muito mas sorri, ri, reconhece e responde” - “e eu fico sempre feliz por vê-lo”, diz, terminando com uma frase simples: “Que isso possa continuar por muito tempo”.

Aquela última frase, tendo em conta o contexto, é particularmente dura. A citação de Michael Palin foi retirada de um post que o humorista deixou na sua página de Facebook, poucos dias depois de ser revelado que Terry Jones, 74 anos, sofre de uma forma de demência, a afasia primária progressiva.

"Tem sido doloroso ver o progresso da demência", confessa Palin. A doença afectará a capacidade comunicativa de Jones e, escreve Michael Palin, tal “é o mais cruel que podia acontecer a alguém para quem palavras, ideias, argumentos, piadas e histórias foram num tempo a matéria da vida”.

A notícia da doença de Terry Jones, co-fundador dos Monty Python e realizador ou co-realizador dos seus muito celebrados filmes, Em Busca do Cálice Sagrado, A Vida de Brian e O Sentido da Vida, foi dada esta terça-feira, quando do anúncio da próxima gala dos BAFTA Cymru, extensão galesa dos BAFTA, os prémios da academia de cinema e televisão britânica, na qual o humorista e actor receberá uma distinção especial pela sua “contribuição extraordinária para o cinema e televisão”. A cerimónia terá lugar dia 2 de Outubro.