A sério?

O que é natural (não) é (necessariamente) bom

Há coisas inacreditáveis que são mesmo verdade e outras que parecem certas mas que não resistem a uma análise crítica. São os produtos químicos que causam problemas, a natureza é só paz e amor. Os produtos naturais mal não fazem e não interagem com medicamentos. A sério?

As plantas medicinais têm efeitos fisiológicos e a sua toma pode interferir com a acção de medicamentos convencionais
Foto
As plantas medicinais têm efeitos fisiológicos e a sua toma pode interferir com a acção de medicamentos convencionais Adriano Miranda

Um estudante de 26 anos da Pensilvânia foi passar férias à Índia. Como tinha dores nas costas começou a tomar quatro remédios à base de plantas usados pela medicina aiurvédica, uma prática muito antiga com origem na Índia. Após o regresso aos Estados Unidos continuou com os tratamentos. Passados três meses deu entrada no hospital com vários sintomas, como náuseas e vómitos com sangue. Tinha um nível de chumbo no sangue nove vezes superior ao normal. Foi tratado com ácido dimercaptossuccínico, um medicamento nada natural, preparado através de reacções químicas, que se liga ao chumbo e ajuda a removê-lo do corpo. Os sintomas desapareceram ao fim de três meses. E três anos depois os níveis de chumbo tinham baixado para valores próximos dos habituais.

O caso foi contado em Junho na revista científica BMJ. E não é único. Uma investigação de 2015 revelou que 40% dos utilizadores de medicina aiurvédica dos Estados Unidos têm quantidades demasiado elevadas de chumbo no sangue. Isto acontece porque alguns tratamentos de medicina aiurvédica combinam metais com extractos de plantas.

O ácido aristolóquico, presente nas plantas da família das aristolóquias, é outro exemplo de um produto natural com riscos relevantes. Entre 1991 e 1992 cerca de 100 mulheres foram hospitalizadas em Bruxelas com falência renal grave e a necessitar de hemodiálise. Todas tinham tomado comprimidos para emagrecer, com duas ervas medicinais chinesas. Apesar de não constar no rótulo, os comprimidos continham extractos da raiz de uma planta da família das aristolóquias, que causa graves problemas nos rins. As plantas tinham sido acidentalmente trocadas por causa da semelhança dos nomes em chinês. Esse é outro problema dos remédios com plantas medicinais: por vezes não sabemos bem o que está lá dentro.

Uma investigação realizada em 2013 nos Estados Unidos concluiu que 59% dos remédios à base de plantas continham espécies não listadas no rótulo. É improvável que tal pudesse acontecer com os medicamentos convencionais, cuja produção e qualidade final é intensamente regulada e fiscalizada. Mas muitos remédios naturais são comercializados como suplementos alimentares. Por isso não têm de provar a sua eficácia e segurança do modo que é exigido aos medicamentos convencionais. Não se sabe se funcionam, se são seguros, nem muito bem o que está lá dentro. Mesmo assim muitas pessoas acreditam que são bons simplesmente porque são naturais. Já agora, o que é um produto natural?

Natural é…

Cocaína. Morfina. Penicilina. Colesterol. Álcool. Cicuta. É o que tem em mente quando pensa em produtos naturais? São todos naturais, no sentido em que são produzidos por seres vivos sem necessidade de intervenção humana. Frequentemente “natural” define-se por oposição a “químico”, mas os produtos naturais também são necessariamente produtos químicos, cujos átomos se ligaram através de reacções químicas.

Nalguns países há regulamentos que restringem a utilização do termo “natural” em certos casos. Mas estes tendem a ser confusos e inconsistentes entre si. Uma directiva comunitária de 2008 aplicável à indústria alimentar restringe o uso do termo “natural” a componentes de origem vegetal, animal ou microbiológica, obtidos por um processo de preparação tradicional. A Food and Drug Administracion (FDA), o organismo que nos Estados Unidos regula a indústria alimentar e farmacêutica, acha que a designação é tão confusa que teve aberto, até Maio deste ano, um processo de consulta pública em que pedia opiniões sobre o uso do termo “natural”: o que é um produto natural e quais os requisitos que um produto deve ter para que possa exibir essa designação.

Pesticidas, químicos sintéticos, organismos geneticamente modificados, são questões que se levantam quando se discute a definição de produto natural. Mas vamos a um exemplo: o milho de agricultura biológica deve ser considerado um produto natural? Mesmo admitindo que não foi modificado através de técnicas modernas de biologia molecular, é o resultado de milhares de anos de selecção de sementes feita por gerações sucessivas de humanos. O milho, como o conhecemos, não existe na natureza.

Interacções

As plantas medicinais têm efeitos fisiológicos e a sua toma pode interferir com a acção de medicamentos convencionais. O Observatório de Interações Planta-Medicamento, da Universidade de Coimbra, compila e divulga as interacções conhecidas. Açafrão-das-índias, açaí, alcaçuz, aloé, bagas de goji, cardo mariano, chá preto, chá verde, dente-de-leão, equinácea, hipericão, mangostão, noni e pau d’arco podem aumentar a toxicidade ou diminuir a eficácia de tratamentos para o cancro. Plantas como amieiro negro ou o trevo vermelho podem diminuir a eficácia da pílula contraceptiva. Também há plantas que podem interferir com os tratamentos para a diabetes, hipertensão e colesterol elevado.

A ideia popular de que “mal não faz” não é bem assim. Em alguns casos os produtos naturais podem ter efeitos adversos, que importa ter em conta.

Bioquímico