Torne-se perito

Há 25 anos que não desapareciam tantos elefantes africanos

A procura de marfim disparou e o aumento da caça ilegal está a ter um impacto dramático nos elefantes africanos.

Um grupo de elefantes atravessa uma planície numa reserva natural do Quénia.
Foto
Um grupo de elefantes atravessa uma planície numa reserva natural do Quénia. Laszlo Balogh/REUTERS

A população de elefantes africanos registou o maior recuo dos últimos 25 anos, alertou este domingo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla inglesa), citada pela AFP e a Reuters.

Um aumento abrupto da caça ilegal, motivado pela crescente procura de marfim em mercados asiáticos como a China, é apontado como a principal causa do recuo. A redução do habitat do elefante-da-savana e do elefante-da-floresta, as duas espécies africanas, é outra ameaça apontada.

Há neste momento 415 mil elefantes africanos, 111 mil a menos que na década passada, indica um relatório baseado em 275 contagens conduzidas em todo o continente, mas que excluem zonas em conflito como o Sudão do Sul e a República Centro-Africana. 

Dados preliminares divulgados em Agosto já antecipavam uma redução drástica, indicando Angola, Moçambique e Tanzânia como os países mais afectados pela caça ilegal. Neste último país, por exemplo, a redução do número de elefantes chega a 60%, apesar do importante papel que o maior animal terrestre tem para a sua indústria turística. Por outro lado, o número de animais cresceu em países como o Botswana, Namíbia, África do Sul e Zimbabwe, mas sem compensar as perdas a nível continental. 

O documento foi distribuído durante a maior conferência mundial sobre o comércio de espécies selvagens, que decorre em Joanesburgo, na África do Sul, sob organização das Nações Unidas. Milhares de ambientalistas e responsáveis governamentais estão reunidos para propor nova regulamentação internacional para proteger os animais.

A Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Extinção, assinada em Washington em 1973, é considerada ultrapassada pelos seus críticos e encontra-se sob pressão de países que defendem a liberalização do comércio de marfim. A Namíbia e o Zimbabwe pedem o levantamento da moratória para poderem comercializar stocks de marfim anteriormente apreendidos. Países como o Quénia, no entanto, opõem-se à proposta, alertando para o risco de se estimular a procura internacional de presas de elefante. 

Sugerir correcção