Sócrates ataca a Justiça e critica o PS em almoço com ambiente de comício

Ex-primeiro-ministro prometeu fazer muitas intervenções pelo país no lançamento do seu próximo livro sobre teoria política

Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso

Com o telemóvel na mão, uma mulher dizia para a outra: “Vou fazer um directo.” A companheira de mesa respondeu: “Eu costumo gravar, já da outra vez gravei.” As duas mulheres, que deveriam rondar os 50 anos, colocavam-se em bicos dos pés para tentarem ver o ex-primeiro-ministro e arguido no processo Marquês, José Sócrates, que já segurava o microfone para falar aos seus amigos e apoiantes que se juntaram num almoço em Lisboa. Fez um ataque violento à Justiça, criticou a “direcção do PS”, prometeu que não se vai calar e pôs a sala a dar vivas ao partido. A iniciativa foi apresentada pelos organizadores como momento de convívio com amigos, mas acabou em ambiente de comício.

No mês em que foi adiado o prazo limite para a conclusão do inquérito no processo Marquês, José Sócrates compareceu a um almoço num restaurante em Lisboa – o segundo deste género em dois anos – organizado por um grupo de apoiantes. Desta vez, juntou cerca de 300 pessoas. E, como o próprio disse, foi directo ao assunto, depois de abraços, beijinhos e palmadas nas costas a alguns convidados. O assunto é o seu processo judicial, mas sem passar ao lado do partido que liderou, ainda que omitindo nomes. “Muitos quiseram afastar-me. Detemos-te, pomos-te na prisão, não dás entrevistas. O primeiro objectivo era isolar-me da sociedade portuguesa. Porventura conseguiram esse objectivo com a direcção do PS, mas não me afastaram do coração dos militantes”, afirmou.

Estas palavras foram recebidas com entusiasmo e os apoiantes gritaram "Sócrates" várias vezes. Momentos antes, já no final do discurso de mais de 23 minutos, José Sócrates lembrou que esta sexta-feira à noite foi recebido com vivas ao PS, numa conferência organizada pelas mulheres socialistas. Fez uma pausa e disse: “Eu sei bem o que isso significa.” E assim os presentes repetiram os vivas ao partido. O momento parecia retratar uma campanha eleitoral numa sala em que estavam alguns dos mais próximos do antigo-primeiro-ministro: António Campos, dirigente histórico do PS e braço direito de Mário Soares, o seu filho Paulo Campos, ex-secretário de Estado das Obras Públicas, e os deputados Renato Sampaio e Isabel Santos. Estes três últimos socialistas saíram a meio do congresso do partido, em Novembro de 2014, para visitar Sócrates à cadeia de Évora, um dia depois de ser detido por suspeita de crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para acto ilícito. 

Na sua intervenção, o antigo chefe do executivo começou por questionar a “legitimidade do Estado de direito em prender e ao fim de dois anos não apresentar acusação”. A resposta, disse, é “intuitiva”. “Qualquer pessoa decente dirá não”, exclamou, num discurso algo inflamado. Sócrates acusou a Justiça – referindo-se a “eles” – de “disfarçar um abuso com outro”, de forma a que até se cria a “rotina do abuso”. Mas não se mostrou conformado: “A primeira coisa que temos de fazer é isso, é denunciar o abuso, no processo estão a alterar as regras”. E criticou directamente a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, por anunciar que ia acelerar o processo quando adiou o prazo limite para a conclusão do inquérito.

O outro visado foi o juiz Carlos Alexandre, a propósito da entrevista à SIC, quando disse que não tinha dinheiro em contas de amigos. Foi uma “insinuação cobarde”, apontou, assegurando que essa imputação (que lhe é feita no processo judicial) é “falsa, absurda e injusta”. O próprio juiz fez essa declaração com o intuito de se “declarar imparcial”. “O juiz já não existe”, já que violou a “imparcialidade e a presunção de inocência”. Sócrates acredita que se preparam para “cometer o acto mais abjecto que é condenar alguém sem julgamento”.

O ex-primeiro-ministro prometeu não ficar em silêncio até porque vai lançar um livro sobre teoria política – sobre o processo na Justiça “não é o momento mas lá chegará” – e fará apresentações por todo o país. “Não é um livro de mexericos”, disse. E apelou ao apoio dos que estavam na sala: “Conto convosco.”