Governo de Durão contratou Goldman para negócios caros e falhados

Em 2004 o Goldman prometeu privatizar a Galp e reestruturar a EDP a troco de um pagamento de 18 milhões de euros. As coisas não correram bem. Em 2008 o banco vendeu à Metro do Porto o swap “mais estúpido do mundo”.

Foto
Pedro Cunha

Estavam em curso duas das maiores privatizações de sempre em Portugal e o importante sector da energia estava em profunda redefinição. Galp e EDP procuravam, cada uma, o seu espaço e novos accionistas privados. O Governo, liderado por Durão Barroso, contrata então o Goldman Sachs para assessorar as duas empresas e montar a operação de privatização da Galp. Num só ano pagou 1,7 milhões pelo trabalho dos consultores. O contrato previa ainda outros 13 milhões de success fee (remuneração por objectivos) e 200 mil euros mensais. Mas os custos desta operação ainda hoje estão em cima da mesa, com as compensações que o Estado garante à EDP (CMEC).

O responsável por Portugal, no Goldman Sachs, era, desde 2002, António Borges. Mas o contributo do Goldman acabaria por ser rejeitado em Bruxelas. A Comissão Europeia considerou que o plano de entregar à EDP a distribuição de gás natural era ilegal, à luz das regras europeias.

Enquanto este processo se desenrolava, Durão Barroso foi eleito Presidente da Comissão Europeia, e substituído por Pedro Santana Lopes na chefia do Governo. Em Dezembro de 2004, o presidente da Parpública, João Plácido Pires, defende que o contrato com o Goldman deve acabar, dada a oposição de Bruxelas e os “elevados encargos” para o erário público (Sábado, 8/5/2005). Bagão Félix, ministro das Finanças, aceita a sugestão.

Com a entrada do Governo seguinte, de José Sócrates, todos os outros contratos do Goldman com o Estado foram cancelados. António Borges queixou-se de perseguição política: “Eu já fui vítima dessa situação [asfixia democrática] e denunciei-a. A empresa para a qual trabalhava perdeu negócios em Portugal.”

Mas não seria para sempre… Em 2008, a Metro do Porto decide fazer um swap de 126 milhões da sua dívida com o Goldman Sachs. Poucos meses depois a empresa portuguesa já devia 120 milhões ao banco americano. O contrato é um caso de estudo. Moorad Choudhry, professor de Matemática da Universidade de Brunel, Reino Unido, classificou-o, desta forma, ao jornal inglês Independent: “É possivelmente a transacção financeira mais estupidamente complicada que alguma vez foi feita.” Outro especialista afirmou: “Fez-me rir e chorar, em igual medida. Em que raio é que aquela gente estava a pensar? Já vi muitos maus produtos financeiros na vida, mas este é outra coisa. É o momento Apocalipse Now da indústria bancária, quando toda a gente cai na loucura.” Esta era a equação contratual para estimar os limites de perdas: “{SumDCF [n] x 6.33% - SumCpn[I,n-1]}/DCF[n], where I = 1,2,3”.