Utentes e trabalhadores protestaram contra o caos nos transportes públicos

Na Semana da Mobilidade, a manifestação de utentes e trabalhadores dos transportes públicos lisboetas juntou largas dezenas no Cais do Sodré. Em caminhada até à Praça de Camões, os manifestantes pediram respostas urgentes e um serviço de qualidade.

Foto
A adesão ao protesto levou os manifestantes até à Praça Luis de Camões DR

O caminho até ao Cais do Sodré, o ponto de encontro da manifestação que esta terça-feira juntou trabalhadores e utentes dos transportes públicos em Lisboa é, também ele, feito usando os serviços da Carris. Passam 25 minutos das cinco da tarde e os tempos de espera variam entre os quatro e 22 minutos. O eléctrico chega já cheio e, apesar dos esforços de compressão - aperto ali, desculpe acolá, dê aí um jeitinho -, mais de metade das pessoas que aguardam na paragem são obrigadas a ficar. Já ninguém estranha. O tempo passa e chega o segundo eléctrico, antes de qualquer autocarro. Os esforços para entrar intensificam-se. Desta vez com menos paciência e mais pressa de chegar. Lá se consegue entrar e a chegada ao Cais do Sodré coincide com os últimos preparativos para a manifestação, organizada pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) e a Comissão de Utentes dos Transportes de Lisboa.

Entre as dezenas de utentes e trabalhadores que se vão juntando, as queixas repetem-se e os problemas estão identificados. Agora, “só querem ser ouvidos”. “Os transportes públicos transformaram-se num caos”, assim começa a moção que será entregue ao Governo e que pede atenção para “o desinvestimento, a degradação do equipamento, a diminuição da oferta (horários e percursos), o aumento dos preços”, que, apontam “não é obra do acaso”, mas sim resultado de “uma opção politica que visa a privatização do transporte público”. Apesar das críticas ao anterior Governo de Passos Coelho, os protestantes dirigem-se também ao actual Governo que, “não prosseguindo na mesma política”, se tem “limitado a fazer promessas, a adiar soluções urgentes e a desculpar-se com pressões externas”.

“Ao mesmo tempo que adiam as respostas urgentes, vemos os membros do Governo a multiplicarem-se em promessas para o futuro – autocarros eléctricos, ciclovias de centenas de quilómetros, expansão da rede”, exemplifica a organização do protesto.

“Agora a última moda é encurtar as carreiras, que em vez de chegarem ao final do percurso, param a meio”, desabafa Cecília Sales, da Comissão de Utentes dos Transportes de Lisboa. “A nossa vida não pode estar nas mãos do Metro e da Carris”, assevera. No Metro, “as obras de ampliação da estação de Arroios estão apontadas para o segundo semestre do próximo ano, segundo a administração”, conta, num tom de descrença e enquanto encolhe os ombros. “Vamos ver”, acrescenta.

Mais do que aumentar o espaço das estações, pede-se “uma alteração global” nos transportes públicos. Célia Portela, da União de Sindicatos, repete as críticas que justificam a mobilização e enumera as queixas de alguns trabalhadores, que, em número insuficiente “foram proibidos de tirar férias”. “As avarias não são avarias, é falta de trabalhadores e material”, denuncia.

PÚBLICO -
Foto
O tempo de espera e o corte nos horários e carruagens foram os principais problemas apontados DR

José Lobato trabalha há mais de vinte anos no sector dos transportes públicos e há oito que regista uma deterioração das condições de trabalho. Apesar do recurso a empresas de trabalho temporário para cobrir a falta de trabalhadores, também a falta de material é um problema. “É preciso quase pedir um requerimento ao Presidente da República para comprar equipamento para recuperar os comboios”, denuncia.

“Em 2011, o passe [escolar] custava 16 euros. Hoje, com o fim do passe escolar, um título de transporte mensal custa mais de 35 euros. Além disso, esse aumento não foi acompanhado nem por um aumento na qualidade da oferta de serviços nem sequer na sua manutenção”, aponta Izaura Solipa, uma estudante que não quis faltar à manifestação, enquanto o grupo de largas dezenas sobe até à Praça Luís de Camões. 

João Ferreira, vereador da Câmara Municipal de Lisboa pelo PCP, presente na manifestação, nota que este é um problema que “junta dois importantes movimentos”.  Por um lado “o movimento dos trabalhadores das empresas de transportes públicos, que vêm há anos lutando contra os processos de ataque a estas empresas e de sucessiva degradação” e, por outro, os utentes, que se vêm insatisfeitos com a degradação dos serviços.

Apesar da mudança de Governo, “a verdade é que praticamente nada aconteceu, tirando a importante decisão de travar a concessão a privados. Continuamos a ter a mesma situação que tínhamos, carreiras que foram suprimidas, horários reduzidos, material circulante em condições muitíssimo degradadas, falta de trabalhadores, um mau serviço prestado à população e preços muito superiores aos que deviam ser praticados”, aponta o vereador do PCP. Para corrigir “urgentemente” a situação, o político sublinhou a proposta comunista, já apresentada à Câmara Municipal de Lisboa, de redução do preço dos bilhetes e passes para os valores de 2011, “criando condições para posteriormente proceder a nova redução de preços”.

“A exigência de mais e melhores transportes públicos deve envolver a autarquia de Lisboa e deve envolver o Estado central”, considera João Ferreira, sendo que “a área metropolitana e os municípios, incluindo o de Lisboa, deve ter um papel determinante de gestão dessa rede”.