Passos recua e já não vai apresentar livro de Saraiva

Líder do PSD pediu ao autor para o "desobrigar" de ir ao lançamento. Editora cancelou mesmo a cerimónia de apresentação.

Passos Coelho tinha dito que ia manter a palavra dada, mas recuou
Foto
Passos Coelho tinha dito que ia manter a palavra dada, mas recuou Filipe Farinha/Stills

A editora Gradiva cancelou a cerimónia de lançamento do polémico livro Eu e os políticos, de José António Saraiva, depois de o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, ter recuado na intenção de apresentar a obra.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a editora Gradiva afirma que o ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho "pediu ao autor, por motivos pessoais, para o desobrigar de estar presente na sessão de lançamento do livro", que estava agendada para dia 26, às 18h30, no El Corte Inglés, em Lisboa.

"Esta decisão foi absolutamente inesperada, mas acho compreensível. Metendo-me na pele de Pedro Passos Coelho, é de facto a atitude mais sensata”, reagiu José António Saraiva em declarações ao jornal i. "Da mesma maneira que ele aceitou apresentar o livro sem me perguntar nada, desobriguei-o obviamente de o apresentar com a mesma rapidez", acrescentou o autor ao mesmo jornal.

Pedro Passos Coelho tinha aceitado apresentar o livro do antigo director do Expresso e do Sol mesmo antes de conhecer o conteúdo do livro, onde, segundo a editora, é descrito "um conjunto de episódios polémicos, vividos na primeira pessoa, com diversos políticos e personalidades" portugueses, incluindo pormenores mais íntimos e privados.

Confrontado com a polémica assim que se soube que o livro inclui "revelações da vida sexual de políticos", Passos Coelho manteve a decisão de apresentar a obra. "O Dr. Pedro Passos Coelho aceitou o convite mesmo antes de ler o livro. Este convite foi aceite tendo em conta a admiração que o Dr. Pedro Passos Coelho tem pela carreira e pelo papel que o arquitecto José António Saraiva desempenhou e desempenha no jornalismo português", disse ao PÚBLICO um assessor do líder social-democrata na passada sexta-feira. 

No sábado, Passos Coelho insistiu na sua decisão. "Não sou de voltar com a palavra atrás nem de dar o dito por não dito. Estarei a fazer a apresentação dessa obra", disse em Proença-a-Nova.

Agora, o líder do PSD acabou mesmo por recuar, depois das muitas críticas de que foi alvo nos últimos dias. Na edição de hoje do PÚBLICO, Pedro Duarte fazia mesmo um apelo para que Passos Coelho se inspirasse em Sá Carneiro e recusasse apresentar o livro.

Na sequência desta decisão do líder do PSD, a cerimónia de lançamento do livro foi mesmo cancelada. "O livro tem sido objecto de uma polémica, por vezes excessivamente inflamada, nos media e nas redes sociais" e nesse sentido, José António Saraiva e "a editora consideram que o momento exige reflexão e que tudo farão para evitar o que possa contribuir para alimentar novas polémicas". "Por decisão conjunta do autor e da editora, a cerimónia [de apresentação da obra] foi cancelada", diz ainda o comunicado da editora.