Doze polícias americanos feridos em protestos pela morte de um homem negro

Família da vítima garante que este não estava armado, ao contrário do que indica a polícia.

Foto
A violência policial tem levado milhares de americanos negros às ruas KENA BETANCUR/AFP

A morte de um homem negro que foi alvejado por um polícia de Charlotte, na Carolina do Norte, levou a confrontos que terminaram com 12 agentes feridos, na terça-feira à noite. Segundo a imprensa local, um número indeterminado de civis ficou também com ferimentos durante os distúrbios.

Keith Scott, de 43 anos, foi abatido pelo agente Brentley Vinson, também negro, e que se preparava para a entrega de um mandado de captura que não era dirigido à vítima.

A polícia afirma que Scott saiu do carro armado, para depois voltar a entrar; quando os agentes se aproximaram, voltou a sair, de novo com a arma, adiantou numa conferência de imprensa o porta-voz do departamento policial, Keith Trietley. Foi nesse momento que a polícia o encarou como uma ameaça e optou por disparar.

As autoridades afirmam ter recolhido uma arma no local, mas a família garante que ele não tinha armas, era deficiente e lia um livro enquanto esperava por um dos seus filhos. “Ele estava sentado à sombra, a ler o seu livro e à espera que o seu filho saísse do autocarro”, disse a irmã aos jornalistas. “Ele não tinha uma arma, ele não estava a chatear ninguém”.

Horas depois, várias pessoas saíram à rua para gritar “black lives matter” (a vida dos negros conta) e “não há justiça, não há paz”, relatou uma televisão local. O canal WSOC-TV adianta que os agentes usaram armas anti-motim e gás lacrimogénio para conter a multidão. Vários veículos policiais foram vandalizados, denunciaram as autoridades.

A presidente de câmara, Jennifer Roberts, apelou à calma. Esta questão “merece respostas e um inquérito completo”, prometeu no Twitter, indicando que está a estudar o caso com responsáveis da comunidade negra.

As tensões raciais estão ao rubro no país, com sucessivos casos de violência policial contra homens negros desarmados.

De acordo com uma contagem do Guardian, este ano a polícia matou até agora pelo menos 193 homens negros (em 2015 foram 306).

As manifestações em Charlotte aconteceram horas depois de uma outra em Tulsa, no Oklahoma, que juntou centenas de pessoas em protesto pela morte de um negro vítima de disparos policiais.