Sonae Sierra começa a construir primeiro centro comercial em Marrocos em 2017

Empresa estreou-se em Marrocos como prestadora de serviços em centros comerciais de terceiros já em 2011

 Centro Comercial 8º  Avenida, em São João da Madeira
Foto
Centro Comercial 8º Avenida, em São João da Madeira Adriano Miranda

A Sonae Sierra pretende iniciar no primeiro trimestre de 2017 a construção do primeiro centro comercial da empresa em Marrocos, onde pretende reforçar a presença nos próximos anos, com mais projectos e maior participação accionista. Num encontro com jornalistas, no Porto, o presidente executivo da Sonae Sierra, Fernando Guedes de Oliveira, adiantou que o centro comercial Zenata, em Casablanca, representa um investimento total de 100 milhões de euros, tendo a empresa uma participação de 10% neste projecto.

"Entrámos neste mercado com alguma cautela há quatro ou cinco anos. Hoje já o conhecemos bastante melhor e queremos subir a participação, isto é, aumentar a nossa participação em futuros projectos, para o normal, que é 50%", declarou o responsável da Sonae Sierra.

A Sonae Sierra estreou-se em Marrocos em 2011, como prestadora de serviços em centros comerciais de terceiros, e agora avança para o desenvolvimento do primeiro projecto próprio em parceria com a Marjane, passando de fornecedor a sócio.

Em declarações aos jornalistas, Fernando Guedes de Oliveira explicou que a Sonae Sierra está hoje "mais confiante" no potencial de Marrocos, referindo que os últimos anos permitiram conhecer melhor o parceiro local e a parte legal. "É um mercado muito confortável. Tem uma influência europeia grande e um sistema político estável", acrescentou.

Marrocos é apenas um dos mercados onde a Sonae Sierra planeia investir até dois mil milhões de euros em novos centros comerciais nos próximos cinco anos, a que se juntam Brasil e Colômbia, fora da Europa.

O plano de investimento da empresa do universo Sonae passa pela Colômbia, onde tem em desenvolvimento o seu primeiro centro comercial, com conclusão prevista para o início de 2018, e quer "pelo menos iniciar mais três nos próximos cinco anos".

O Brasil é outra das grandes apostas da Sonae Sierra, que pretende arrancar com novos projectos - para juntar aos nove existentes - assim que "tenha certeza de que a recuperação é real".

"A nossa opinião é que já bateu no fundo. Já sentimos sinais de recuperação. Em agosto até houve um pequeno crescimento das vendas", explicou o gestor, realçando que "o Brasil pode ser uma plataforma para no futuro explorar outros mercados na América do Sul".

Na Europa, Alemanha, Itália e Roménia são os três mercados que estão na linha da frente para o investimento no desenvolvimento de novos projectos.

Para financiar o plano de investimento para os próximos cinco anos, a empresa -- detida em 50% pela Sonae SGPS e em 50% pela Grosvenor (Reino Unido) -- pretende fazer "reciclagem de capital", estratégia que sofreu com a crise económica que afectou os principais mercados da Sonae Sierra.

"Durante a crise não havia investidores interessados nos nossos activos concentrados no sul da Europa, mas agora felizmente o mercado de investimento está muito activo, o que nos permite reciclar capital e voltar a crescer na nossa principal actividade que é o desenvolvimento de novos projectos", acrescentou o gestor.

Na prática, a empresa vende participações em activos da sua carteira, obtendo capital para reinvestir no desenvolvimento de novos projectos, e mantém posições minoritárias e a gestão operacional dos centros comerciais.

Actualmente, a Sonae Sierra é proprietária ou co-proprietária de 45 centros comerciais em Portugal, Espanha, Itália, Alemanha, Grécia, Brasil e na Roménia.

Sugerir correcção