Entrou em vigor na Síria a trégua em que quase ninguém acredita

Mais de 30 camiões a postos para entregar ajuda humanitária a cidades como Alepo.

Os bombardeamentos em Alepo intensificaram-se antes do cessar-fogo entrar em vigor
Foto
Os bombardeamentos em Alepo intensificaram-se antes do cessar-fogo entrar em vigor AFP/AMEER ALHALBI

Um cessar-fogo cujo texto não é conhecido, que não abrange todas as facções rebeldes, que permite excepções e que não implica consequências para quem o desrespeite entrou em vigor ao pôr-do-sol desta segunda-feira na Síria. Foi resultado de um acordo negociado entre os EUA e a Rússia.

A 18ª iniciativa de paz para a Síria é encarada com muito cepticismo por todos, de americanos a sírios; ao mesmo tempo, uma suspensão das hostilidades é desesperadamente necessária numa guerra na qual morreram já mais de 400 mil pessoas.

Horas antes da entrada em vigor do cessar-fogo, mais de 30 camiões de ajuda humanitária sob supervisão das Nações Unidas preparavam-se, na fronteira com a Turquia, para se dirigir a cidades cercadas pelo regime de Bashar al-Assad, em especial Alepo, a grande cidade do Norte do país entretanto destruída por bombardeamentos, barris de explosivos lançados de avião, e armas químicas – a situação é tão desesperada que a dada altura, crianças na cidade queimaram pneus para que os aviões do regime não tivessem visibilidade para atacar a cidade.

Por isso, a reacção dos habitantes da parte oriental de Alepo, que ainda resiste ao regime, era de cautela. “Não se pode ficar contente quando se vive em terror”, disse um habitante da cidade ao The Guardian. “Há bombas a cair dia e noite”, dizia outro morador, Abu Abdullah, à emissora britânica BBC. “Os civis já não têm esperança.”

Os grupos rebeldes criticaram o acordo, mas deram a entender que o iriam respeitar. Este começa com uma promessa de trégua de 48 horas prolongável por mais uma semana, após a qual Estados Unidos e Rússia começarão a planear ataques conjuntos contra dois grupos radicais: o autodenominado Estado Islâmico e a antiga Frente al-Nusra, entretando redenominada Fatah al-Sham, que combate junto de outros grupos rebeldes moderados.

Os rebeldes anti-Assad temem, assim, vir a ser alvo de ataques destinados aos radicais da antiga al-Nusra , que se desligou da rede da Al-Qaeda.

Antes da entrada em vigor do cessar-fogo, e como aconteceu já noutras tréguas na Síria, a intensidade dos ataques aumentou: o regime bombardeou um mercado em Idlib e voltou a lançar bombas sobre Alepo. Mais de 90 pessoas morreram durante o fim-de-semana.

Comentando o acordo, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, sublinhou que o compromisso da Força Aérea de Assad não sobrevoar as zonas onde está a oposição era o ponto nuclear do cessar-fogo. Segundo a estação de televisão norte-americana CNN, Kerry destacou a aviação síria como “o principal causador de vítimas civis” na guerra, que já dura há cinco anos.

Mas ninguém duvida que este cessar-fogo favorece Assad, que para os Estados Unidos é alguém que não só atacou o seu povo com armas químicas, como permitiu a radicalização dos seus opositores, enquanto para a Rússia, é a grande esperança de estabilidade, segundo descreveu David Miliband, o antigo ministro britânico dos Negócios Estrangeiros que é agora director executivo da organização humanitária International Rescue Committee, ao diário The Guardian.

Embora antecipe que esta é a melhor altura para uma trégua destacando um aparente “maior empenho russo”, Miliband diz que a médio prazo nada resolve esta divisão fundamental.

“Esta é a melhor opção de todas as más opções”, comentou por seu lado Fawaz Gerges, da London School of Economics, em declarações à CNN. “Para onde se vai a partir daqui? A realidade é que o equilíbrio de poder favorece Assad.”