Maria João Seixas volta às entrevistas na RTP2 contra “gritaria” das noites de domingo

Afinidades é o programa semanal de conversas que quer ser alternativa ao "excesso" dos generalistas à mesma hora, diz a directora de programas da RTP2.

Maria João Seixas, fotografada em 2008
Foto
Maria João Seixas, fotografada em 2008 Enric vives-rubio

Maria João Seixas vai voltar às entrevistas televisivas já no próximo domingo, na RTP2. Afinidades é o novo programa da jornalista e antiga directora da Cinemateca Portuguesa, que ao longo de 14 semanas vai dedicar 40 minutos a uma das suas actividades de eleição – “sou uma papa-conversas”, diz ao PÚBLICO. Para o canal, o programa é não só um espaço de “uma das melhores conversadoras”, mas também um antídoto “à gritaria” e ao "excesso" que à mesma hora mora nos outros canais generalistas.

Quando surgiu a ideia de integrar o novo programa na grelha da 2, a directora de programas procurava “o programa mais intimista e sossegado para concorrer com a gritaria que passa nos outros canais”, diz Teresa Paixão, aludindo ao horário nobre do sinal aberto, povoado por novelas e reality shows. Afinidades, título que surgiu “de repente” a Maria João Seixas, será o regresso à televisão e ao canal que descreve como a sua “casa” depois do seu programa de entrevistas Quem Fala Assim, estreado em 1993, bem como Sempre aos Domingos (1995) e Olhos nos Olhos (1998). Neles, a jornalista e gestora cultural mantinha conversas sobre vários temas, muito em torno da cultura e do conhecimento, tornando-se uma das entrevistadoras mais reconhecidas da época.

Agora, e com o primeiro convidado Ricardo Ribeiro a vir do fado, continua a privilegiar essas áreas do pensamento e da cultura, tocando também a religião ou a história. Pouco cingida à actualidade, considera que “as pessoas carregam dentro de si um olhar sobre o seu hoje”, explica ao PÚBLICO sobre as janelas para o mundo actual que podem abrir-se com Afinidades. Entrevistará o músico Kalaf Ângelo, a historiadora Maria de Fátima Bonifácio, o pintor João de Almeida, o arquitecto Miguel Figueira, Isabel Soares, o padre Alexandre Palma, a realizadora Leonor Teles, o professor José Pedro Serra ou o artista plástico José Pedro Croft, mas também a escritora Lídia Jorge ou o arquitecto Joaquim Moreno. Falará ainda sobre a Índia e o sistema de castas com Rosa Maria Perez, e com o violoncelista Pavel Gomziakov.

Voltar à televisão e às entrevistas “não foi uma escolha” sua, diz ao PÚBLICO sobre o convite da responsável pela programação da RTP2, que foi recusando até aceitar – “estava longe de pensar em televisão, mas talvez muito irresponsavelmente aceitei”, no que acabou por ser “uma experiencia estupenda”. As 14 conversas, que vão para o ar semanalmente ao domingo às 23h10, deram-lhe a conhecer nomes com que nunca se tinha cruzado – outros, como os de Lídia Jorge ou José Pedro Serra, já tinham sido entrevistados por Maria João Seixas.

Este último foi uma das Conversas com vista para... que realizou para o PÚBLICO, mais precisamente para a revista de domingo Pública, desde Dezembro de 1999 e até ao início de 2007. A primeira dessas conversas foi com o artista plástico Pedro Cabrita Reis, sendo que todas começavam com um “Diga-me quem é” ou uma variante mais informal. Afinidades já não vai contar com essa questão inicial, que se tornou um referente das suas conversas – “foram muitos anos”, explica a entrevistadora, “mas tenho pena porque o ressalto da bola que as pessoas faziam a essa pergunta era sempre uma pequena ponta para [o resto] da conversa”, recorda.

Depois de Afinidades, Maria João Seixas está a trabalhar noutro projecto para a RTP2, que só deverá ser conhecido em 2017. Além da actividade na imprensa e televisão, Seixas foi assessora de António Guterres para a cultura entre 1995 e 1997, tendo dirigido a Cinemateca Portuguesa  Museu do Cinema entre 2010 e Dezembro de 2013. Foi vice-presidente do European Film Distribution Office (Programa Media) durante oito anos.