Das ruínas de uma casa na Boavista fez-se luz

Fotogaleria

Um passeio pelo Google Maps ainda devolve à memória o que era esta casa na Rua da Boavista, no Porto. Dos dois pisos nasceram três, da degradação um edificado de luz. "Estava completamente em ruínas", recorda ao P3 o arquitecto Pablo Rebelo que, ao lado de Pedro Pita, forma o gabinete Pablo Pita — aquele que em 2012 foi distinguido com o primeiro prémio do concurso internacional Badel Block. Para esta reabilitação, uma encomenda de privados, a dupla teve de "readaptar os espaços no interior para as exigências funcionais da família". O piso de baixo, por exemplo, foi amplamente aberto, de forma a ter "uma relação mais franca com o jardim". "A intenção era que houvesse uma sequência de espaços contíguos, da sala de estar para a cozinha. Depois, as portadas em madeira permitem ocultar a ligação ou mantê-la descoberta", descreve o arquitecto nascido em 1983 em Caracas. O elemento central do projecto é a clarabóia que se assume como um "fosso de circulação nas escadas", distribuindo os movimentos pela casa. "É uma temática muito recorrente nestas habitações antigas do Porto", diz Pablo Rebelo, pois, por se tratarem de "lotes tão estreitos", necessitavam sempre de um ponto de luz. A dupla fez assim uma "reinterpretação" contemporânea da clarabóia trabalhando a luz "conceptualmente" por todo o edifício e relacionando todos os espaços "visualmente" entre si: por exemplo, do piso intermédio vê-se a sala e os quartos também têm pequenos nichos que permitem a comunicação. Tudo ligado, tudo cheio de luz.

Sugerir correcção