Taxistas pedem a Marcelo debate sobre a Uber e Cabify

Dirigentes das associações de táxis foram recebidos nesta terça-feira no Palácio de Belém.

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos
Foto
O presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos DR

Os representantes dos taxistas apelaram nesta terça-feira ao Presidente da República para que se debata o funcionamento das novas plataformas de mobilidade como a Uber e a Cabify, disse o presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT) após um encontro em Belém.

"Deixámos o apelo para que se discuta o problema. Não se devem impor soluções, mas discutir o problema. Era importante que isso acontecesse", disse Carlos Ramos à agência Lusa.

O responsável falava na sequência de uma audição que os representantes dos taxistas tiveram hoje na Presidência da República. O presidente da FPT saiu do Palácio de Belém muito optimista, afirmando que "foi uma reunião muito importante" e que Marcelo Rebelo de Sousa (que não esteve no encontro) "está a acompanhar a situação".

"Foi-nos solicitada muita informação que vamos fazer chegar brevemente. O Presidente quer continuar a acompanhar a situação e quer estar preparado para decidir em conformidade quando a lei [que legaliza aquelas plataformas] for aprovada", afirmou.

Carlos Ramos reafirmou que "não está contra a existência" das plataformas, "mas sim contra a desregulamentação do sector para acolher" esses serviços.

O dirigente lembrou ainda que o ministro do Ambiente, que tutela a pasta dos transportes urbanos, disse recentemente que as plataformas "tinham de cumprir os mesmos requisitos dos taxistas", mas "isso não está a acontecer e é um motivo de preocupação".

A Uber e a Cabify são plataformas online que permitem pedir carros de transporte de passageiros, com uma aplicação para smartphones que liga quem se quer deslocar a operadores de transporte.