Calendário escolar deve passar para dois semestres, defendem directores

Inquérito publicado no blogue Com Regras mostra que menos de 10% dos directores e presidentes de escolas sentem o seu trabalho "reconhecido" ou "valorizado" pelo Ministério da Educação.

O inquérito foi realizado em Julho junto de 312 directores e presidentes de escolas
Foto
O inquérito foi realizado em Julho junto de 312 directores e presidentes de escolas Cláudia Ribeiro/NFactos (arquivo)

Mais de metade dos directores dos agrupamentos escolares (54,1%) concorda que o calendário escolar passe para apenas dois semestres, indica um inquérito sobre O que pensam os directores e os presidentes de Conselhos Gerais sobre questões pertinentes da escola portuguesa, realizado junto de mais de 300 destes responsáveis escolares.

O inquérito, a que a agência Lusa teve acesso, indica que 54,1% dos directores de agrupamentos escolares inquiridos concorda com apenas dois semestres de calendário escolar, em vez dos tradicionais três períodos lectivos.

Dos presidentes de Conselhos Gerais inquiridos, apenas 32,8% concorda com essa opção de dois semestres, mas, no entanto, uma considerável quantidade de presidentes inquiridos (41,2%) defendem a necessidade de uma "revisão do calendário escolar".

Os momentos de avaliação actualmente em Portugal são três, tal como o número de períodos lectivos. Os três períodos lectivos que existem actualmente são "desiguais na sua duração", sendo os dois primeiros quase semelhantes e o terceiro demasiado curto, explicou à Lusa Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), referindo que é o feriado da Páscoa, que é móvel — ora é em Março, ora em Abril —, o "grande constrangimento" da actual situação.

"Todos os professores se queixam da pequenez do terceiro período lectivo, que não dá para nada, a par dos feriados e da realização dos exames do 4.º e 6.º anos em tempo lectivo, encurtando-o ainda mais", conta Filinto Lima, reconhecendo que a proposta passa pela criação de dois períodos lectivos, semestrais, com o mesmo número de dias e dois momentos de avaliação".

Para o presidente da ADAEP, devem, todavia, manter-se as pausas do Natal, Carnaval e Páscoa. "Muitos alunos, sabendo que não têm tempo para recuperar no último período, abandonam a escola ou comportam-se de forma leviana, perturbando as escolas e o seu ambiente", lamenta ainda o professor Filinto Lima, reiterando que os períodos lectivos escolares devem ser "equilibrados, com o mesmo número de dias, e, por isso, defende "períodos semestrais".

O presidente da ADAEP defende uma "discussão alargada" e com "tempo para pensar na semestralidade", mas é defensor dos dois períodos de avaliação, à semelhança do que acontece nas universidades.

Contra a municipalização

A maioria dos directores de agrupamentos escolares (89%) e presidentes de Conselhos Gerais (86,3%) rejeita o actual processo de municipalização escolar, revela também o mesmo inquérito, da autoria do docente Alexandre Henriques e publicado no blogue Com Regras.

O modelo de gestão, a municipalização escolar, a autonomia escolar e o calendário escolar, são questões "muito importantes" e o estudo mostra que os principais membros da comunidade escolar — directores de agrupamentos e presidentes de Conselhos Gerais — "não estão de acordo com o rumo que está a ser seguido", lê-se na conclusão do inquérito.

Outra das conclusões do estudo revela que os resultados escolares e as questões disciplinares continuam a ser o "principal motivo de preocupação de directores, com as questões disciplinares a surgirem no "topo das preocupações".

Os dados revelam também que apenas 8,3% de directores e presidentes de Conselhos Gerais sentem o seu trabalho "reconhecido" e ou "valorizado" pelo Ministério da Educação, valores que "deviam envergonhar e fazer reflectir profundamente os visados", refere o autor do estudo, Alexandre Henriques.

O inquérito sobre O que pensam os directores e os presidentes de Conselhos Gerais sobre questões pertinentes da escola portuguesa?" foi realizado em Julho deste ano através da plataforma de formulários Google, compreendendo um universo de 312 directores e presidentes de escolas.