Russell Cheyne/ Reuters
Foto
Russell Cheyne/ Reuters

Panda gigante mais longe da extinção

Classificação desceu de "em perigo" para "vulnerável". Mas o risco ainda existe, alerta a União Internacional para a Conservação da Natureza

A situação ainda não é a ideal, mas melhorou consideravelmente: o risco de extinção do panda gigante da China diminuiu, passado do estado de "em perigo" para "vulnerável", anunciou a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).

A população deste animal, residente em algumas regiões de montanha da China e em perigo desde 1990, cresceu 17% na última década (entre 2004 e 2014). Segundo um censo realizado há dois anos, havia nessa altura 1864 pandas gigantes a viver no país.

Apesar de se congratular com a notícia, a UICN não deixa de sublinhar que a situação ainda é preocupante: "As alterações climáticas podem eliminar mais de 35% do 'habitat' de bambu dos pandas nos próximos 80 anos, por isso a população de pandas poderá diminuir."

O Fundo Mundial para a Natureza (WWF), existente desde 1961 e cuja imagem de marca é um panda, reagiu dizendo que "por mais de 50 anos, o panda gigante tem sido o símbolo de conservação mais adorado do mundo". "Saber que o panda está agora um pouco mais longe da extinção é um momento emocionante para todos os que se têm comprometido com a conservação da vida selvagem e dos seus habitats", escreveu o director geral Marco Lambertini.

Sugerir correcção