Questionário convida portugueses a testarem os seus mitos sobre sexo

Proliferam ideias erradas alimentadas por cultura “fast pleasure: há receitas para o melhor orgasmo, a genitália perfeita, a frequência ideal do prazer, a duração e a dose certa de prazer”, diz responsável. Este domingo é Dia Mundial da Saúde Sexual.

Há mitos sobre sexo que persistem no imaginário social mas que não têm fundamento, diz presidente da  Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica
Foto
Há mitos sobre sexo que persistem no imaginário social mas que não têm fundamento, diz presidente da Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica Nelson Garrido

“Quando as pessoas se amam, intuitivamente sabem o que fazer para dar prazer sexual uma à outra.” Ou a “troca de carícias sexuais sem que haja penetração ou coito não é sexo”. Verdadeiro ou falso? A Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica desafia os portugueses a desmontarem os mitos que possam ter sobre sexo, lançando um questionário online onde podem pôr à prova os seus conhecimentos. O pretexto é o Dia Mundial da Saúde Sexual, que se assinala neste domingo.

O ponto de partida é a ideia de que “existem cada vez menos tabus” em relação ao sexo, mas que persistem ainda muitos mitos, explica a presidente desta sociedade científica, Sandra Vilarinho no site da instituição. A também terapeuta sexual diz que proliferam ideias erradas em torno da sexualidade, alimentadas por uma cultura “fast pleasure” (prazer rápido): há receitas para o melhor orgasmo, a genitália perfeita, a frequência ideal do prazer, a duração e a dose certa de prazer”.

O resultado é uma liberdade sexual condicionada por um “padrão-obrigação”, defende. As crenças, diz, “são sugeridas e reforçadas em filmes, séries televisivas, livros, jornais, revistas e anúncios publicitários, que deseducam, afastando os corpos e as práticas da sua liberdade subjectiva”.

O objectivo da sociedade científica foi então escolher alguns dos principais mitos que persistem no imaginário social e pessoal, “de forma mais ou menos camuflada”, mas que não têm fundamento científico, e condicionam a saúde sexual. Foi a Associação Mundial para a Saúde Sexual quem lançou o tema “Saúde sexual: eliminemos os mitos!” para assinalar a efeméride.

Dos 16 mitos que fazem parte do questionário online consta, por exemplo, o impacto da idade. Refuta-se a ideia de que, com o envelhecimento, as mulheres tornam-se insensíveis ao toque no clitóris ou que a disfunção eréctil é uma inevitabilidade da idade. Também se põem à prova ideias sobre sexo associadas a género: é errado dizer que “uma mulher que não tenha prazer com a penetração, mas através de outras formas de estimulação, é incompleta ou imatura” ou que “um homem nunca pode dizer que não à iniciativa sexual de uma mulher”.

Há também questões sobre resposta sexual (por exemplo, a ideia falsa de que "o sexo só é pleno quando as duas pessoas têm orgasmo em simultâneo"). Surgem também questões em torno da deficiência, doença, fisiologia ou direitos sexuais.

“É comum julgar-se que estamos hoje em condições de viver plenamente a sexualidade, que a nossa liberdade individual é incomparavelmente superior ao passado." O que não deixa de ser verdade, nota Sandra Vilarinho. A terapeuta fala dos progressos a partir do 25 de Abril, da forma mais aberta como se fala do tema. Mas coloca a pergunta: “Será que falamos e pensamos sem ideias equívocas, preconceituosas e mitómanas acerca das mais diversas sexualidades?”

A iniciativa com vista à desmistificação vai prolongar-se ao longo do próximo ano, até ao dia 4 de Setembro de 2017, já que no dia 4 de cada mês será assinalado um tema em torno dos mitos. No site da Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica “será lançado mensalmente um breve questionário de participação anónima e voluntária, acompanhado de informação que visa contribuir para desconstruir crenças erróneas e infundadas”. O objectivo é fornecer informação cientificamente fundamentada sobre cada tema.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações