Morreu a “menina da rádio”

A actriz Maria Eugénia Pinto do Amaral, que se celebrizou aos 17 anos como protagonista do filme A Menina da Rádio, morreu esta quinta-feira em Lisboa aos 89 anos. O velório realiza-se este sábado e o funeral no domingo.

Foto
Maria Eugénia teve uma carreira curta no cinema português e espanhol DR

Conhecida como “a menina da rádio” desde que protagonizou em 1944, ainda adolescente, o filme homónimo de Arthur Duarte, a actriz e cantora Maria Eugénia, que contracenou com os grandes nomes do cinema da época, como António Silva, Ribeirinho, Laura Alves ou Milú, morreu esta quinta-feira em Lisboa, aos 89 anos. 

Com uma carreira curta no cinema, da qual desistiu no final dos anos quarenta, quando se casou com o médico António Pinto do Amaral, Maria Eugénia Rodrigues Branco Pinto do Amaral, a Geninha de A Menina da Rádio, participou, ainda assim, em mais dois filmes de Arthur Duarte: a produção luso-espanhola O Hóspede do Quarto Treze (1946), onde interpreta uma jovem de coração puro, filha de um banqueiro, que salva do suicídio um duque afundado em dívidas de jogo, e O Leão da Estrela, uma das mais bem-sucedidas comédias portuguesas da época, onde volta a fazer o papel de rapariga ingénua, contracenando com António Silva e Milú, cuja carreira juvenil como cantora na rádio inspirara o filme de Arthur Duarte.  

Maria Eugénia entrou ainda em alguns filmes espanhóis, como Héroes del 95, de Raúl Alfonso, um filme histórico baseado em factos reais cuja acção decorre em Cuba, e Quando os Anjos Dormem e Conflito Inesperado, ambos de Ricardo Gascón. No primeiro contracena com o galã italiano Amedeo Nazzari, através do qual recebe um convite para trabalhar com Vittorio De Sica, que recusará.  

Filha do músico Francisco José da Silva Branco e de Lara Augusta da Silva Rodrigues, Maria Eugénia nasceu em Lisboa no dia 1 de Abril de 1927. Ficou sobretudo conhecida pela sua meteórica passagem pelo cinema português e espanhol, mas chegou também a trabalhar na rádio.

Casou-se com António Pinto do Amaral, de quem foi segunda mulher, e com quem teve dois filhos, Alcino Pinto do Amaral, que morreu aos vinte anos num acidente rodoviário, e o poeta, ensaísta, tradutor e professor de literatura Fernando Pinto do Amaral.

A investigadora Rute Silva Correia publicou em 2011 uma biografia da actriz, Maria Eugénia, A Menina da Rádio, publicada pela Oficina do Livro e prefaciada por Júlio Isidro. Na reportagem televisiva do lançamento, o apresentador nota que o filme A Menina da Rádio foi já visto por quatro gerações de espectadores e diz que Maria Eugénia é um “cometa” que passou pelo nosso cinema por uns breves quatro anos, mas deixou "um rastro que perdura até hoje".  

A actriz Carmen Dolores sublinhou na mesma ocasião que, logo em A Menina da Rádio, o filme que a revelou e celebrizou – faz de filha de António Silva –, Maria Eugénia tem “uma naturalidade, uma fotogenia e uma presença” que fizeram com que nunca mais fosse esquecida. A actriz agradeceu as várias homenagens e confessou: “Nunca pensei que aos 84 anos ainda se lembrassem tanto de mim”.

Presente no lançamento, o seu filho Fernando Pinto do Amaral confessou que, após a morte do seu pai, em 1977, ainda lhe ocorrera que a mãe, que só tinha então 50 anos, ainda retomasse a carreira artística, o que não veio a acontecer.

O velório será na Basílica da Estrela, em Lisboa, a partir das 18h deste sábado. Haverá missa no domingo, às 14h30, com funeral para o Cemitério dos Prazeres.

Notícia actualizada para acrescentar informações sobre o velório e funeral da actriz.