Inscrições de desempregados abaixo dos 500 mil pela primeira vez em sete anos

O número de inscritos no IEFP voltou a baixar em Julho. Novas inscrições também continuam a recuar.

Centros de emprego estão a disponibilizar gestores de carreira
Foto
Centros de emprego têm recebido menos incrições Fernando Veludo/NFACTOS

O número de desempregados que, no final de Julho, estavam inscritos nos centros de emprego recuou 6,6% em comparação com 2015 e 2,7% face a Junho. De acordo com os dados divulgados nesta segunda-feira, é a primeira vez nos últimos sete anos que as inscrições descem para níveis inferiores a 500 mil.

Em Junho, os indicadores já apontavam para números historicamente baixos, mas, ainda assim, acima de meio milhão. Agora, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) dá conta de 497.663 desempregados registados nos seus ficheiros, sendo preciso recuar a Julho de 2009 para encontrar um valor mais baixo (496.683).

A descida anual do desemprego foi visível em todas as regiões do país, com maior expressão no Algarve (-19,2%), algo que está relacionado com as actividades sazonais próprias dos meses de Verão.

PÚBLICO -
Aumentar

A CGTP atribui o decréscimo no número de desempregados ao aumento sazonal do emprego no sector do turismo e defende a necessidade de serem criados empregos estáveis e duradouros. "Registamos a redução do número de desempregados inscritos, mas consideramos que isso se deve ao factor sazonalidade. Há sempre mais empregos, relacionados com o turismo, no período de verão, mas isso não responde às necessidades do país, que precisa de mais emprego estável, seguro e duradouro", afirmou o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, à Lusa.

Miguel Cabrita, secretário de Estado do Emprego, considera redutor atribuir a melhora dos indicadores apenas à sazonalidade. “Todos os anos é normal existirem fenómenos de sazonalidade, mas é a primeira vez em sete anos que baixamos a barreira dos 500 mil inscritos”, destaca ao PÚBLICO, acrescentando que os dados estão em linha com a tendência de descida do desemprego evidenciada pelos números trimestrais do Instituto Nacional de Estatística (INE).

A redução das inscrições foi mais expressiva nos homens (-7,9%) e nos jovens (-9,2%) do que nas mulheres (-5,4%) e nos adultos (-6,2%). Os desempregados inscritos há menos de um ano diminuíram 4,9%, enquanto os desempregados de longa duração (tempo de inscrição igual ou superior a 12 meses) diminuíram 8,3%.

Os números agora conhecidos mostram que as novas inscrições também estão a recuar. Este é, de resto, o indicador que melhor espelha o que está a acontecer no mercado de trabalho, uma vez que não é influenciado nem pela variação do número de ocupados (desempregados integrados em programas de emprego ou formação profissional, e que deixam de ser considerados desempregados) nem pelas anulações (decorrentes das faltas aos controlos quinzenais ou às convocatórias dos centros de emprego, por exemplo).

Em Julho, registaram-se 47.270 novos desempregados, uma diminuição de 16,6% face ao período homólogo e de 4,5% em comparação com Junho. Este recuo das novas inscrições começou em Outubro de 2015, depois de em Setembro desse ano ter tido um aumento superior a 40%.

Tendo por base informação apenas relativa ao continente, mantém-se como principal motivo de inscrição dos desempregados o fim de trabalho não permanente, representando 43,6% do total. Os ex-estudantes ocupam a segunda posição (10,3% do total), enquanto o despedimento surge em terceiro lugar (10,2%).

Embora haja uma melhoria generalizada dos números, há um dado que piorou: as 11.950 ofertas de emprego recebidas ao longo do mês de Julho ficaram 22,2% abaixo das recebidas em 2015 e 26,6% abaixo das registadas em Junho.

As colocações também se reduziram tanto em relação a 2015 (-10,4%) como ao mês anterior (-20%). As 9012 colocações de desempregados ocorreram sobretudo nos serviços pessoais, de protecção e vendedores e nos trabalhadores não qualificação. O secretário de Estado do Emprego atribui esta redução das colocações à diminuição da execução dos apoios directos ao emprego financiados pelo IEFP, que acabam por se traduzir me menos desempregados colocados em empregos apoiados.

Apesar de serem calculados com base num inquérito, os dados do INE relativos ao segundo trimestre de 2016 dão conta de um recuo da taxa de desemprego para os 10,8%. Ainda assim, persiste um elevado desemprego de longa duração, que afecta mais de 260 mil pessoas.