Falsos comprimidos com fentanil encontrados em casa de Prince

Músico vai entrar para as trágicas estatísticas que responsabilizam este opiáceo pelo aumento de mortes por overdose nos EUA.

Foto
Prince em 2011 BERTRAND GUAY/AFP

Vários comprimidos retirados da propriedade de Prince depois da sua morte foram falsificados e continham fentanil, um opiáceo sintético 50 vezes mais forte do que a heroína, revelou uma fonte próxima da investigação à Associated Press.

Segundo a mesma fonte, que pediu o anonimato por estar ainda a decorrer a investigação à morte do cantor norte-americano, muitos dos comprimidos estavam falsamente identificados como “Watson 385”. Cerca de uma dúzia deles foram encontrados no quarto de vestir do músico em Paisley Park, a famosa propriedade no Minnesota, mas a grande maioria estava escondida em frascos de vitamina C ou de aspirina dentro de malas e sacos, incluindo um que Prince usava frequentemente.

Os resultados da autópsia revelados em Junho mostraram que o músico norte-americano morreu a 21 de Abril de uma dose acidental de fentanil. O número de mortes por overdose devido a opiáceos sintéticos aumentou drasticamente nos EUA: 80% de 2013 para 2014, segundo os últimos dados do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), nomeadamente devido ao uso ilegal de fentanil. Prince vai agora entrar para as trágicas estatísticas.

O fentanil, um opiáceo sintético usado no tratamento da dor oncológica, é 50 a 100 vezes mais forte do que a morfina e o seu consumo ilegal, segundo o CDC, deve-se aos efeitos semelhantes à heroína, por sua vez um derivado da morfina.