Opinião

O estranho caso do biscoito Globo, do nadador mentiroso e da metade superior do planeta

O problema não são as histórias sobre os problemas do Brasil e sim a sobranceria que ocorre na metade superior do planeta, quando se trata do Brasil

REUTERS/Kai Pfaffenbach
Foto
REUTERS/Kai Pfaffenbach

1. Uma lástima que o repórter David Segal do New York Times (NYT) não tenha achado nada saboroso para comer no Rio de Janeiro, nem um feijãozinho, nem um pastelzinho, até 13 de Agosto de 2016, data em que publicou online um texto sobre como o biscoito Globo é a evidência de que não se come nada de jeito no Rio de Janeiro. O artigo saiu na edição novaiorquina no dia seguinte, domingo, pico de audiência local, dia sagrado para ler o NYT, e podia sensatamente ter-se ficado por aí. Mas alguém com responsabilidades editoriais achou que aquela investigação merecia circular pelo mundo, e foi assim que me achei a lê-la no aeroporto de Frankfurt, na edição europeia do International New York Times (INYT) de 17 de Agosto, onde tinha honras de quase página inteira e duas fotos. E, ao chegar a Jerusalém, lá estava ela, na edição do INYT que aqui vem com o diário israelita Haaretz dentro. Não sei se saiu em África ou na Austrália, mas só assim já faz três continentes em papel, mais o digital, uns bons milhões de leitores. Também não sei o que é mais espantoso: se um repórter do NYT, imagino que não miseravelmente remunerado, e com a contribuição de mais duas repórteres, produzir algo tão fraco, e tão ao lado; se os editores do NYT considerarem que o texto merecia ser replicado pelo globo, em diferentes datas e suportes. Separei essa página antes de embarcar, e guardei-a dentro do meu romance de bolso estado-unidense matutando no tédio existencial que se propaga a partir da metade superior do planeta, incluindo o que li tanto no NYT como no Guardian sobre a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos. E na chegada a Jerusalém ainda me esperava o texto da New Yorker a propósito do nadador estado-unidense que inventou um roubo.

2. Sou leitora viciada da edição diária digital da New Yorker, enviada por mail aos assinantes, tão bem adaptada a qualquer suporte que se lê bem mesmo num écrã de bolso. Todas as noites a abro no telefone e raramente há um dia em que não valha a pena ler algo. Um dos grandes repórteres da casa, Jon Lee Anderson, conhece bem o Brasil, no começo da Olimpíada publicou um comentário de contexto, mas não se pode ter Jon Lee sempre, cloná-lo para estar em vários pontos do globo ao mesmo tempo, e portanto o Brasil foi um dos calcanhares de Aquiles neste último ano a ler a New Yorker. Um país imenso, duzentos milhões mesmo ali por baixo, com tudo a acontecer, derrocada até ao impeachment de Dilma, mas onde estava isso na New Yorker? Salvo algum dia em que não li, o Brasil não existiu na revista ao longo de muitos meses decisivos. A cada solavanco eu pensava que haveria de chegar, essa imersão em profundidade, mas o que enfim veio, quando Michel Temer já tomara o poder, foi um modesto resumo do colaborador Alex Cuadros, o mesmo que agora fez o texto sobre o nadador mentiroso. A New Yorker passou, pois, muito tempo sem ligar a mínima ao Brasil quando tudo fervia. Até às Olimpíadas. Então, uma noite uns nadadores estado-unidenses vão a uma festa carioca, embebedam-se, saem de madrugada, páram numa bomba de gasolina onde vandalizam uma casa-de-banho, partem a porta, urinam no chão, brigam com os seguranças, que lhes apontam uma arma, exigindo dinheiro pelos estragos, depois chegam ao hotel e pelo menos um deles, Ryan Lochte, inventa que foram roubados talvez por polícias, talvez porque também tinha a namorada à espera, e precisava de se safar. E o texto que sai sobre isto na New Yorker, quando já se sabe que o atleta vandalizou e mentiu, é para explicar aos estado-unidenses que os brasileiros ficaram obcecados com o caso porque não sabem aguentar críticas, porque têm complexo de vira-latas. Ou seja, o assunto é notícia porque o mentiroso é medalhista de ouro estado-unidense, mas o texto não é sobre o que, quem, onde nem como aconteceu o que aconteceu, ou sobre o comportamento de atletas estado-unidenses no Brasil, mas sim sobre o atraso de um país que não aceita críticas. Um bom caso-de-estudo de distorção jornalística. E não será igual que esteja na New Yorker ou noutro lugar, porque supostamente ninguém é tão exigente como a New Yorker. Tanto fact checking, tanto Pulitzer, tantos leitores devotos, mas quando se trata do Rio de Janeiro (e não há a sorte de ter um Jon Lee a escrever), a fasquia pode baixar?

3. Já depois de se saber que afinal não tinham sido roubados coisa nenhuma, e que Lochte armara um fuzué por ser um fanfarrão, ainda houve palmadinhas nas costas. “Não são necessárias desculpas dele ou de outros atletas”, twitou o porta-voz do Comité Olímpico Mário Andrada. “Temos de compreender que estes garotos vieram aqui para se divertirem. Vamos deixá-los em paz. Às vezes fazemos coisas de que nos arrependemos. Divertiram-se, cometeram um erro, a vida continua.” Sério? Lochte tem 32 anos. Não é um garoto que se meteu num avião para ir engatar umas morenas e apanhar umas bebedeiras por sua conta, como milhares dos seus compatriotas, “garotos” até à terceira idade, fazem regularmente em Copacabana, com morenas ou morenos. E não passou muito tempo até o Comité Olímpico dos Estados Unidos ter mesmo de pedir desculpas pelo comportamento dos nadadores (e Lochte acabou por ter de fazer o mesmo). Entretanto, uma das veteranas da New Yorker publicou outro texto sobre o assunto, implacável quanto a Lochte. Compensou um pouco o anterior no item auto-crítica estado-unidense, mas nem por isso no item Brasil.

4. Os casos do biscoito e do nadador remeteram-me para a cerimónia de abertura, quando li o texto do Guardian e a cobertura ao minuto do NYT. Segundo o Guardian, o que em Londres 2012 fora maduro, inteligente, irónico, no Rio 2016 era um parque infantil do sul do mundo. A cobertura ao minuto do NYT tinha muito mais ângulos, e intervenientes, mas que dizer quando o jornalista anfitrião escreve que é um mistério insondável a popularidade do Japão no Brasil? Um sénior que cobre a abertura das Olimpíadas no Rio para o NYT precisa que passem vários posts após esse até ir verificar na net que, ooops, o Brasil tem a maior comunidade japonesa fora do Japão?

5. “Estou cansado, muito cansado, de ler histórias negativas sobre estas Olimpíadas brasileiras”, desabafou depois de tudo isto no NYT Roger Cohen, um veterano, ex-correspondente no Brasil. Entretanto, desde o The Nation ao Washington Post, vi vários exemplos de bons textos anglosaxónicos que não ignoram os problemas do Brasil. Porque claro que o problema não são as histórias negativas e sim a sobranceria que ocorre na metade superior do planeta, quando se trata do Brasil. Já agora, quanto a sabores: o diáfano biscoito Globo não é sem sabor não, mas apenas uma das muitas razões porque morar no Brasil é bom mesmo sendo uma merda.