Fragmento de cometa desintegrou-se por cima da Central Nuclear de Almaraz

Bola de fogo detectada pelo Complexo Astronómico de La Hita, em Espanha.

Na madrugada da última segunda-feira, pelas 2h00 locais (1h00 em Lisboa), um fragmento libertado por um cometa entrou na atmosfera terrestre, “praticamente na vertical de Almaraz”, localidade onde está situada uma central nuclear, a uma velocidade próxima dos 100 mil quilómetros por hora. O objecto acabou por se desintegrar a cerca de  85 quilómetros de altitude, anunciou a Agência EFE. Este evento precedeu um outro do mesmo género que ocorreu na madrugada desta quarta-feira, às 6h12 locais, provocando uma “espectacular bola de fogo tão brilhante como a Lua”, que sobrevoou boa parte do centro de Espanha.

Os acontecimentos siderais foram registados pelos instrumentos de detecção instalados no Complexo Astronómico de La Hita, da Universidade de Huelva, próximo de Toledo, Espanha. Esta instituição universitária tinha anunciado na última semana a instalação de dois novos dispositivos, cuja finalidade é monitorizar continuamente o céu para “registar e estudar o impacto na atmosfera terrestre de fragmentos procedentes de asteróides e cometas”, acentuou ainda a agência de notícias espanhola.

O complexo de La Hita passa assim a dispor de sete dispositivos que são utilizados para analisar a procedência e composição química dos fragmentos extraterrestres que, ocasionalmente, produzem “bolas de fogo” com um brilho intenso resultantes do violento choque com a atmosfera terrestre.

O território da Península Ibérica compreendido entre a fronteira portuguesa e o centro de Espanha, tem recebido ao longo dos últimos meses a “visita” de eventos como os que acabam de ser referidos, com destaque para o que sobrevoou Santo Aleixo da Restauração no dia 29 de Setembro e que acabou por se desintegrar junto à fronteira portuguesa. Na madrugada de 24 de Fevereiro, um fragmento de asteróide entrou na atmosfera terrestre junto à fronteira a norte de Barrancos.