Opinião

“Sigamos o cherne”! ou a ecologia do fim da Europa

Durão Barroso teve muito tempo para pensar e reflectir. Tomou uma decisão digna de um cherne. Solitário.

Corria o mês de Março de 2002, quando, no final da campanha eleitoral, Margarida de Sousa Uva brindava o universo das imagens políticas com uma comparação que não mais largaria Durão Barroso. “O Zé Manel, se fosse peixe, era um cherne”, dizia a esposa do futuro Primeiro-Ministro, dando ao marido uma aura de buscador de sonhos, de líder que é seguido, usando para isso o poema “Sigamos o cherne” de Alexandre O’Neill.

Ora, a imagem já antiga que num comício tanto nos fez rir volta a ser actual e, quem sabe, com uma profundidade que quem a proferiu nunca imaginou possível. De facto, a imagem do cherne ganha cada vez mais sentido.

Ora, seguindo a caracterização do site “Mar de Portugal” da Ciência Viva, descobrimos o seguinte sobre o cherne:

“Os juvenis formam cardumes e encontram-se junto a objectos flutuantes, enquanto os adultos são solitários, podendo ser observados em grutas ou em destroços.”

Toda a imagem, numa verdadeira poética de vida, está muito bem resumida nesta definição. Se “os juvenis formam cardumes”, tal como aconteceu nas militâncias depois abandonadas dos anos pós-25 de Abril, “os adultos são solitários”, o que facilmente se pode perceber de alguém que virou costas ao colectivo do seu partido e da sua nação para abraçar um cargo europeu, abandonando o governo, fazendo aquilo que pouco tempo antes António Guterres recusara fazer.

Mas mais... Se os últimos desenvolvimentos com o novo emprego apenas mostram a continuação desse desígnio do ser-se solitário, aparentando pensar-se apenas na sobrevivência individual, onde os colectivos e as naturezas dos cargos e funções parecem nada significar, a não ser mais um ponto no currículo, o final da definição do Ciência Viva ajuda-nos a entrar por uma porta estrondosa na questão ecológica do cherne: “podendo ser observados em grutas ou em destroços”...

É exactamente a forma como podemos duplamente caracterizar a herança de Durão Barroso. Dois “destroços” são o motor da sua acção. Por um lado, o destroço em que deixou a Europa com a sua direcção da Comissão Europeia, uma União sem rumo nem projecto, a que se junta a sua inigualável participação, em bicos de pés, na célebre Cimeira das Lajes onde se deu corpo a uma das mais odiosas mentiras contemporâneas. Por outro lado, os “destroços” que são verdadeiramente vampirizados por empresas como aquela para quem agora Durão Barroso trabalha, entidades que somaram fortunas loucas com a desgraça em que a Europa caiu, com a crise, com os problemas de défice, com o "Brexit", agora – tudo aspectos conjunturais onde Barroso foi actor central...

Tal como o cherne, que pode viver 80 anos, José Manuel Durão Barroso tem uma vida política longa. Mas uma vida política que consegue não distinguir aquilo que tão bem Marcelo Rebelo de Sousa soube, ironicamente, chamar pelo nome: Durão Barroso atingiu “o topo da vida empresarial”.

E nada há de mal em ser-se empresário. O mal está em não se saber, ecologicamente, que os constrangimentos de uns impedem a salubridade das acções dos outros. Sim, porque, infelizmente, todos bebemos do descrédito que é lançado pela Europa, pelas suas instituições, pela noção de política, quando um cherne decide viver de destroços dos outros.

A questão é verdadeiramente ecológica. O tal Durão Barroso apenas parece ter-se esquecido que o seu lugar seria o do Homem de Estado, não o empresário. Era isso que era esperado de quem foi primeiro-ministro e presidente da Comissão Europeia. A valorização da causa pública, da vida da Res publica, precisava que um indivíduo como ele percebesse, sem que fosse preciso explicar-lhe, que há uma coisa a que se chama dignidade. E a “dignidade” não é a dele, é a dos cargos que ocupou representando-nos.

Mas, claramente, nada há a fazer. O processo de contratação foi longo, como se sabe, e Durão Barroso teve muito tempo para pensar e reflectir. Tomou uma decisão digna de um cherne. Solitário, escondido nos destroços de que se alimenta, falou-nos em universidades, em conferências e disse não ser candidato presidencial; afinal, era para a Goldman Sachs que tudo já se alinhava.

Simplesmente, tenho vergonha. Mas tenho o orgulho de nunca o ter conhecido.

Professor na Universidade Lusófona