MOTELx cumpre dez anos com Brian de Palma, Ruggero Deodato e Walerian Borowczyk

Edição 2016 decorre entre 6 e 11 de Setembro e continua a explorar a história do cinema de género.

Foto
Uma das imagens de arquivo de De Palma, o documentário de Noah Baumbach e Jake Paltrow sobre Brian de Palma, o realizador de Carrie, Vestida para Matar ou Os Intocáveis dr

De Palma, o documentário de Noah Baumbach e Jake Paltrow sobre Brian de Palma, o realizador de Carrie, Vestida para Matar ou Os Intocáveis, é a primeira grande novidade da edição do décimo aniversário do MOTELx. O festival de cinema de terror de Lisboa decorrerá entre 6 e 11 de Setembro entre o São Jorge e o Tivoli, e foi apresentado à imprensa na noite desta terça-feira com a ante-estreia do filme de Nicolas Winding Refn The Neon Demon.

Mas não é só Brian de Palma que estará na berlinda de uma edição que continua a recuperação dos autores de culto dos anos 1960 e 1970. O convidado especial do MOTELx em 2016, depois de em anos anteriores ter recebido Tobe Hooper ou George Romero, é o italiano Ruggero Deodato, realizador de um dos mais controversos filmes de exploitation de sempre, Holocausto Canibal.

Homenageia-se igualmente o polaco Walerian Borowczyk (1923-2006), celebrizado na década de 1970 como autor de filmes transgressivos como Contos Imorais ou As Heroínas do Mal. Exibir-se-ão as versões restauradas dos seus filmes O Monstro (1975) e Dr. Jekyll e as Mulheres (1981) contextualizados por uma conferência do crítico Daniel Bird.

E o festival volta a mergulhar na história esquecida do cinema feito em Portugal, regressando a António de Macedo, um dos cineastas que mais explorou o cinema fantástico entre nós, com a exibição de O Segredo das Pedras Vivas, um “novo” filme que remonta a mini-série O Altar dos Holocaustos, realizada em 1992 para a RTP e originalmente pensada como uma longa-metragem.

Entre a programação ainda incompleta do certame conta-se o polémico documentário neo-zelandês sobre o fétiche das cócegas, Tickled, e o mais recente filme do cineasta japonês Kiyoshi Kurosawa, Creepy. Haverá ainda a tradicional competição de curtas de terror nacionais, com dez curtas finalistas entre as quais A Caverna de Edgar Pêra e Por Diabos de Carlos Amaral e o programa de animações e projecções Lobo Mau dedicada aos mais jovens.