Polícia de Bragança perderá mais um terço do efectivo dentro de cinco anos

O comandante Amândio Correia acredita que, nos próximos cinco anos, cerca de 50 elementos do Comando Distrital de Bragança da PSP vão sair do efectivo.

Agentes da PSP terão informado a Presidência da República de que iam levar o caso a julgamento
Foto
Agentes da PSP terão informado a Presidência da República de que iam levar o caso a julgamento RITA CHANTRE

O Comando Distrital de Bragança da PSP perderá dentro de cinco anos mais de um terço do efectivo devido a aposentações, o que acarretará problemas por falta de perspectiva de substituição, indicou esta segunda-feira o comandante Amândio Correia.

O comandante ressalvou que se trata se um problema transversal no país, mas deu esta segunda-feira conta das preocupações desta região onde a PSP zela pelas maiores cidades, as de Bragança e Mirandela, ao director nacional, à margem das comemorações dos 140 anos do Comando Distrital de Bragança.

Amândio Correia explicou que a média de idades ronda os 49 anos e dos 180 polícias ao serviço neste comando, "mais de um terço tem 55 anos e atinge o limite de idade de trabalho aos 60", o que significa que "nos próximos cinco anos, cerca de 50 elementos saem de certeza do efectivo".

Tendo em conta o que se tem verificado nos últimos anos, para Amândio Correia não parece ser possível "repor" todos estes elementos, o que "vai trazer problemas, a este e outros comandos no país"

"Se não foram feitas incorporações de novos agentes, achamos que isso vai ter o reflexo de diminuição do efectivo policial", enfatizou.

Outras das preocupações manifestadas pelo comandante é também de âmbito nacional e prende-se com "alguma indefinição do que vai acontecer aos polícias no final da sua carreira, como é que vai ser calculada a sua pensão de aposentação".

A nível estatístico, o Comando Distrital de Bragança da PSP continua no primeiro semestre de 2016, em linha com o ano de 2015, registando uma diminuição da criminalidade geral superior a nove por cento.

"Todos os indicadores da criminalidade baixaram, o que significa que é bom", declarou o comandante, que foi esta segunda-feira surpreendido com uma condecoração da ministra da Administração Interna, com a medalha de ouro de Serviços Distintos.

Com quase 60 anos, Amândio Correia está ao serviço da PSP há 38 e à frente do Comando Distrital de Bragança há 13 anos.

"Estou interiormente muito satisfeito, eu dei à Polícia tudo o que era capaz e a Polícia também me deu tudo que me prometeu. Eu sou uma pessoa feliz na Polícia e esta medalha conforta-me", declarou.

O director nacional da PSP, Luís Farinha, participou nas comemorações dos 140 anos da Polícia de Bragança e prometeu aos agentes que tudo fará para resolver as questões colocadas.

Na cerimónia participou também o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, que admitiu que as questões levantadas são problemas a nível PSP em geral, no país.

A idade média dos polícias "está muito elevada", constatou, mostrando-se, no entanto convicto de que "com as novas incorporações e com os novos curso que irão abrir para a Polícia de Segurança Pública", a situação "vai sofrer algumas alterações positivas".

Outro contributo apontado pelo secretário de Estado será a entrada em vigor do novo Estatuto da PSP, sem adiantar calendarização, indicando que é uma matéria conduzida directamente pela Ministra da Administração Interna.

Ainda assim, salientou que a concretização destas medidas contribuirão para o "rejuvenescimento" da PSP, com gente mais nova, "sobretudo para o policiamento de proximidade e de rua".

Sugerir correcção