Televisão France 2 pediu desculpa por mostrar "imagens chocantes" de Nice

Entre outras coisas, um repórter perguntou "O que é que sente?" a um homem que acabava de ver morrer a sua mulher no atentado.

Foto
Homenagem às vítimas em Nice Pascal Rossignol/REUTERS

A televisão pública France 2 viu-se obrigada a pedir desculpa por ter emitido imagens chocantes na sua cobertura em directo do atentado terrorista em Nice, muito criticadas pelos telespectadores, na Internet e pelos próprios jornalistas.

“Boa noite, senhor, acaba de perder a sua mulher. Qual é a sua reacção, em directo para a France 2?”, perguntou um jornalista da televisão a um homem em lágrimas, ajoelhado ao pé do cadáver da mulher no asfalto, tapada por uns panos amarelos. “É esta a informação da France 2”, escreveu no Twitter o jornalista e ex-refém na Síria do Estado Islâmico Nicolas Hénin, num cativeiro em que esteve juntamente com outros repórteres como o norte-americano James Foley.

A televisão pública difundiu ainda um vídeo do camião a esmagar a multidão, considerado especialmente violento. O Conselho Superior do Audiovisual (CSA) emitiu um comunicado esta sexta-feira em que apelou às televisões e rádios “para terem prudência e contenção, protegerem a dignidade humana e a dor das pessoas nas reportagens sobre o terrível atentado de que [a França] foi vítima ontem à noite”. O CSA diz já estar a avaliar as imagens e reportagens da noite anterior.

A France 2 foi acusada, por um lado, de estar a fazer o jogo da propaganda terrorista, ou de estar simplesmente a comportar-se de forma indecente. O site WikiLeaks divulgou também vídeos de pessoas mortas ou feridas, e foi criticado por isso. Durante a noite e a madrugada, multiplicavam-se os apelos nas redes sociais para que não fossem partilhadas imagens chocantes. O próprio Ministério do Interior francês fez esse apelo, pedindo também que não fossem difundidos boatos, como o de que existiria uma situação de reféns num hotel em Nice que chegou a ser noticiada também em Portugal.

Perante estas reacções desfavoráveis, o grupo France Télévisions, de que faz parte da France 2, divulgou também um comunicado em que pede desculpa aos telespectadores, e em que reconhece que “as imagens brutais, que não foram verificadas, suscitaram vivas reacções”. Admite ter havido “um erro de julgamento”, que explica com “as circunstâncias particulares” do que se estava a passar.

“A difusão deste tipo de imagens não corresponde ao conceito de informação dos jornalistas e da empresa. O grupo France Télévisions apresenta por isso as suas desculpas.”