Credores da dona do jornal Diário Económico aprovam liquidação da empresa

A ST&SF é uma empresa da Ongoing que detém a edição em papel do Diário Económico.

Nuno Vasconcellos trava hoje com Francisco Balsemão uma guerra pela Impresa, que inclui SIC, Expresso e Visão
Foto
Nuno Vasconcellos é o líder do grupo Ongoing, que quer um perdão de mais de 90% da dívida de 1100 milhões Pedro Cunha

A assembleia de credores da ST&SF, dona da edição em papel do Diário Económico, aprovou nesta quarta-feira o encerramento da empresa, disse à Lusa a administradora de insolvência.

"A maioria dos credores aprovou o encerramento da empresa", disse Paula Mattamouros Resende.

A assembleia de credores tinha sido suspensa por 15 dias, a pedido dos trabalhadores, que pretendiam mais esclarecimentos.

A administradora de insolvência da ST&SF tinha proposto a liquidação da empresa que é dona do jornal Diário Económico (o 'site' e o canal Económico TV não são abrangidos, porque são detidos por outras entidades).

No documento em que foi proposta a liquidação era referido que a insolvência da ST&SF resultava da "crise económica e financeira que se abateu sobre Portugal nos últimos anos" e que afectou os media.

A ST&SF, com um passivo de 11,6 milhões de euros, é detida pela Económica SGPS, que, por sua vez, é uma empresa do grupo Ongoing, encabeçado pela Ongoing Strategy Investments.

Esta sociedade apresentou a versão final do seu plano de revitalização que pretende um perdão de cerca de 90% da dívida total.

Segundo o plano de reestruturação citado pelo Jornal de Negócios, o grupo liderado por Nuno Vasconcellos quer que os seus principais credores, o Novo Banco, o BCP e o Montepio perdoem créditos de mais de 730 milhões de euros.

Na prática, de uma dívida total de 1100 milhões de euros, a Ongoing propõe-se pagar apenas 17 milhões aos bancos, aos funcionários, ao Fisco e à Segurança Social, deixando de fora créditos subordinados de cerca de 300 milhões de euros.

Sugerir correcção