Tenha juízo, sr. Presidente

O país está meio falido, mas, que se saiba, ainda não é uma mercearia.

Marcelo Rebelo de Sousa decidiu ir a França assistir ao Portugal-País de Gales. Como estava em Trás-os-Montes, apanhou em Bragança um dos três Falcon que estão à disposição do governo e da Presidência para deslocações oficiais. O Correio da Manhã deu conta disso na quinta-feira. Título: “Viagem de Marcelo para ver o Euro custa 14 mil euros”. E apresentava as contas: “Uma hora de voo nesta aeronave (combustível e manutenção) custa cerca de 3500 euros.” Contactado pelo jornal, o porta-voz da Força Aérea deu-se ao trabalho de desvalorizar tais números e explicou que os aviões têm de voar de uma maneira ou de outra, para a tripulação se manter activa, treinada e qualificada: “Se não fôssemos levar o Presidente, provavelmente o próximo voo estaria vazio.”

Mas Marcelo é Marcelo: que outros não desvalorizem o que ele tanto gosta de valorizar. Nomeadamente, a sua imaculada seriedade e a sua probidade acima de qualquer suspeita. E vai daí, para espanto de todos, eis que surge uma nova notícia no Correio da Manhã de ontem: “Marcelo paga a fatura da viagem do próprio bolso”. Fonte oficial de Belém tinha mais contas para mostrar: contabilizava o valor do combustível (cerca de seis mil euros), dividia-o pelo número de passageiros (dez, ao que parece) e chegava a um valor por passageiro a rondar os 600 euros, sendo esse o montante que Marcelo se dispunha assumir. A mesma fonte adiantava que se a viagem tivesse sido feita em voo comercial, como nas duas ocasiões anteriores, o custo seria maior, porque implicaria pernoita. Mas, pelos vistos, isso pouco interessa: Marcelo é mais rápido a sacar da carteira do que Lucky Luke do revólver.

Eis o ponto a que chegámos: a dignidade do Estado reduzida a uma vaquinha. A malta quer ir à bola, a malta divide o combustível, a malta vai. Eu também fiz isso, mas tinha 17 anos. Nunca na minha vida achei que o Presidente do meu país tivesse de estar envolvido em colectas para representar Portugal num Europeu. Porque das duas, uma. Ou aquilo foi uma viagem privada do adepto Marcelo, ou aquilo foi uma viagem pública do Presidente Marcelo. No primeiro caso, Marcelo deveria ter ido por sua conta. No segundo caso, é inconcebível que o Presidente da República se sinta na obrigação de custear parte do combustível de um avião que existe para transportar Presidentes da República. Isto já não é boa gestão da coisa pública. Isto é o miserabilismo tornado política oficial da nação. Ver Marcelo ceder ao mais baixo populismo por causa de uma notícia sobre o consumo de um Falcon aos 100 é coisa que não tem pés na cabeça. Pior: é snobismo invertido, porque Marcelo só paga porque pode. Ora, uma democracia séria deve dispensar a fortuna pessoal dos seus dirigentes.

Não é a primeira vez que Marcelo tem este tipo de atitudes. Já na campanha eleitoral sublinhou várias vezes que estava a pagar as despesas do seu bolso e até criticou os gastos dos adversários. Recentemente, recusou o Mercedes de 130 mil euros que Cavaco Silva lhe deixou para ir alugar um Mercedes mais barato. Embora eu aprecie gestos de contenção e exemplos de modéstia, convém não cair no ridículo. A democracia tem custos. Se os portugueses concluírem que Marcelo viajou demais e andou a ir demasiado à bola, logo tratarão de ajustar contas em 2021. Para já, mais vale cortar na demagogia do que no combustível. O país está meio falido, mas, que se saiba, ainda não é uma mercearia.