Reactor de fusão nuclear está atrasado e cada vez mais caro

Primeiros testes de fusão nuclear no reactor internacional – em construção em França desde 2010 – só terão lugar em 2025, e não em 2020, como estava inicialmente previsto.

Fotogaleria
Instalações do reactor ITER em França, numa fotografia de Abril de 2016 EJF Riche
Fotogaleria
Obras das instalações do reactor ITER em França, numa fotografia aérea de Abril de 2016 MatthieuColin.com
Fotogaleria
Desenho do tokamak, a câmara de confinamento magnético onde se fará a fusão dos dos núcleos do átomos e que terá quase 30 metros de altura US ITER

A sua ambição é grande: materializar a fusão nuclear. Mas a construção do Reactor Internacional Termonuclear Experimental (ITER, na sigla inglesa), em Cadarache, no Sul de França, sofreu novos atrasos importantes – o que agravará ainda mais a factura, que não pára de aumentar, deste projecto que reúne 35 países.

Objecto de um tratado internacional assinado no Outono de 2006, o ITER tem a ambição de reproduzir na Terra a energia do Sol e das estrelas. A esperança é que a energia nuclear se torne uma das energias do futuro, dando assim ao mundo uma nova forma de energia “limpa” e “quase ilimitada”. No entanto, tem sido alvo de críticas recorrentes dos ecologistas, que o vêem como um “sorvedouro financeiro” e “uma miragem científica”.

Neste momento, um enorme tokamak – a câmara de confinamento magnético onde se fará a fusão dos núcleos de duas formas de hidrogénio, deutério e trítio – encontra-se em construção em França, em Saint-Paul-lez-Durance (Bouches-du-Rhône).

O director-geral da Organização ITER, o francês Bernard Bigot, à frente deste projecto desde Março de 2015, levou a cabo uma averiguação dos prazos e dos custos. A magnitude dos atrasos e da derrapagem orçamental surpreendeu os parceiros do projecto.

Há um atraso “grosso modo de cinco anos”, disse à agência noticiosa AFP Bernard Bigot, de 66 anos, antigo responsável pelo Comissariado para a Energia Atómica (CEA) francês. O teste para a produção do primeiro plasma – gás quente electricamente carregado – no reactor “far-se-á em 2025 e não em 2020”, como estava programado. “O reactor atingirá a sua potência plena em 2035 e não em 2025-2027 como previsto.” Será nessa altura que saberemos se a fusão nuclear é tecnicamente controlável e economicamente interessante.

Este novo calendário, apresentado por Bernard Bigot, foi “validado” a 16 de Junho pelo Conselho do ITER, onde têm assento os representantes dos parceiros do projecto. “O calendário anterior era irrealista. Agora temos um calendário ambicioso mas credível.”

O ITER é financiado por sete parceiros – a União Europeia, os Estados Unidos, a Rússia, o Japão, a China, a Índia e a Coreia do Sul. A Europa financia 45% do investimento público do projecto (os 28 Estados-membros da União Europeia mais a Suíça).

O bastão do peregrino

Corolário dos atrasos acumulados: o custo do ITER tem disparado. Estimado à partida em 5000 milhões de euros, já ultrapassou “os 14.000 milhões de euros para o período 2007-2020”, segundo Bernard Bigot. Para o período de 2007 a 2035, está agora avaliado em 18.600 milhões de euros, o que é mais do triplo das estimativas iniciais.

Os parceiros vão assim ser chamados a pôr 4000 milhões de euros públicos nos próximos dez anos e depois outros 600 milhões de euros para ir até 2035, especificou o director-geral do reactor. Para a Europa, isto representa um custo adicional de 2000 milhões de euros. A França, que acolhe o ITER, deverá entrar com 20% destes encargos (400 milhões de euros) e a Alemanha com 13% (260 milhões de euros).

Os representantes dos sete parceiros, que estiveram no Conselho do ITER de Junho, “terão de convencer, até ao final do ano, as suas autoridades políticas e financeiras que é do interesse comum validar este custo adicional”, sublinha Bernard Bigot. Ele mesmo vai pegar no “bastão de peregrino” e levar a cabo um trabalho de explicação, em nome da “clareza e transparência”, junto de diferentes países.

“O projecto começou com o entusiasmo de uma cooperação internacional e o objectivo político era obter o primeiro plasma dez anos depois do início. Mas ninguém na altura teve o cuidado de estabelecer claramente a sequência de todas as actividades a realizar e os prazos indispensáveis do ponto de vista industrial.”

Um grupo de peritos independentes esteve a inspeccionar as obras, que começaram em 2010, e “ficou convencido de que não as podíamos fazer mais depressa e com menos custos”.

O ITER também tem uma organização muito complexa. O projecto é em grande parte financiado “em géneros”, com equipamentos desenvolvidos por cada um dos 35 países. Depois, é preciso montar este gigantesco puzzle, por vezes quase ao milímetro. “Agora toda a gente aceita trabalhar de maneira integrada.”

E depois do “Brexit”?

Agora que o Reino Unido votou em referendo a sua saída da União Europeia, esta é mais uma preocupação para o ITER? Bernard Bigot mostra-se confiante de que o Reino Unido vai querer continuar a participar neste projecto, mesmo depois do “Brexit”.

“O compromisso da Grã-Bretanha no ITER é abrangido pelo tratado Euratom, que institui a Comunidade Europeia de Energia Atómica”, disse. Esse compromisso é distinto do tratado que criou o Mercado Único Europeu, ainda que ambos tenham sido assinados em Roma a 25 de Março de 1957.

A Comunidade Europeia de Energia Atómica não se fundiu com a União Europeia e tem assim uma personalidade jurídica distinta, embora partilhando as mesmas instituições. “Normalmente, os membros do tratado Euratom não têm o direito de sair, excepto por unanimidade”, explica Bernard Bigot. “Penso que a Grã-Bretanha, que está interessada na fusão nuclear, quer permanecer como parceiro”, acrescenta, lembrando que em território britânico existe o Joint European Torus, ou JET, um equipamento de investigação em fusão nuclear fruto de uma colaboração europeia. “[Com a sua saída da União Europeia], a Grã-Bretanha pode manter-se parceira do ITER, nas mesmas condições do que a Suíça, sob o chapéu do Euratom.”

Sinal da sua “confiança” de que o Reino Unido não vai deixar o ITER, Bernard Bigot assinou a 27 de Junho – apenas quatro dias depois do referendo britânico – um contrato para dez anos que envolve uma empresa inglesa. No valor de 174 milhões de euros, este contrato encarrega um consórcio internacional – liderado pela Amec Foster Wheeler, uma sociedade de engenharia londrina, em parceria com a Assystem (França) e a Kepco (Coreia do Sul) – de coordenar a montagem das peças do tokamak. A data de assinatura “não foi um acaso”: “Simbolicamente, não quis mudar nada no nosso calendário, porque a minha convicção é que a Grã-Bretanha vai ficar [no ITER].”