Dulce Félix com prata dourada nos 10.000m de Amesterdão

Atleta do Benfica só foi superada pela turca de origem queniana Yasemin Can nos Campeonatos ?da Europa.

Fotogaleria
Fotogaleria
/Michael Kooren/Reuters

Portugal conquistou, ao fim da tarde, a sua 30.ª medalha em Campeonatos da Europa de atletismo, na 23.ª edição do certame, que decorre em Amesterdão, na Holanda. Ana Dulce Félix fez a melhor corrida da sua já longa carreira, aos 34 anos, e assegurou a prata nos 10.000m, com um novo recorde pessoal, por larga margem. E bem pode dizer-se que foi uma prata dourada, dado que, como era previsível, a maior rival das fundistas portuguesas foi a turca Yasemin Can, nascida e criada para o desporto no Quénia, mas desde o ano passado apta a competir pelo seu novo país.

Só Can conseguiria superar uma Dulce Félix que, após alguns anos em águas mornas no que respeita às provas de pista, reapareceu mais forte do que nunca, criando expectativas quando às suas próximas competições. A sua prova desta quarta-feira foi intrinsecamente superior à que lhe havia dado o título europeu em Helsínquia, há quatro anos, e também mais brilhante pelo tempo alcançado, então de 31m44,75s, agora superado em 25 segundos.

Esta foi a sexta medalha na disciplina para Portugal em Europeus, dado que Fernanda Ribeiro foi a vencedora em 1994, Conceição Ferreira ficou com a prata nessa edição também, de Helsínquia, depois Fernanda Ribeiro obteve outra prata em Budapeste 1998, e Jéssica Augusto também a prata em Barcelona 2010 (inicialmente bronze). Nesta quarta-feira, Sara Moreira desistiu, Carla Salomé Rocha foi 12.ª.

A corrida começou à 19h locais e os termómetros ainda marcavam 18 graus, o que não deixava de ser um valor alto. Jo Pavey, a britânica de 43 anos vencedora dos Europeus há dois anos, em Zurique (e segunda em 2012), tomou logo o comando da corrida e as três portuguesas ficaram sempre no grupo da frente, até aos 2km, passados pela britânica em 6m15,34s. O ritmo estava vivo, mas isso não dissuadiu Yasemin Can de atacar a caminho do terceiro quilómetro e de se isolar desde aí. A partir desse marco e até final, Can andou sempre sozinha na frente e, a breve trecho, tinha 60-70 metros de vantagem sobre as perseguidoras mais próximas. A selecção natural a um ritmo forte ditou que estas passassem rapidamente a ser apenas três, Ana Dulce Félix, Sara Moreira e a norueguesa Karoline Bjerkeli Grovdal.

A meio da prova, Can era cronometrada em 15m30,03s e um tempo abaixo de 31 minutos parecia possível. Neste contexto, Dulce Félix transitava a cerca de meio minuto do seu recorde pessoal dos 5000m (15m08s), com outra tanta distância para fazer até final, o que não deixava de constituir um risco. O certo é que a minhota estava cheia de confiança e, a certa altura, deixou Sara Moreira e Groval para trás, lançando-se na perseguição da turca. Durante largos minutos esta pareceu poder quebrar, mas a verdade é que segurou sempre uma vantagem clara, que só diminuiu um pouco no último quilómetro.

Entretanto, Grovdal deixava Sara Moreira para trás na disputa pelo terceiro lugar e, perto do oitavo quilómetro, a portuguesa viria a desistir. Can fechava a prova em 31m12,86s, a melhor marca europeia do ano, e Ana Dulce Félix batia o recorde pessoal por mais de dez segundos, com 31m19,03s, numa corrida que foi, para ela, de verdadeira redenção.

Grovdal também era recompensada com um recorde pessoal no terceiro lugar, com 31m23,45s, e ainda seria a antiga campeã europeia de crosse, Fionnuala McCormack, a atingir o quarto lugar com 31m30,74s, e com Jo Pavey a ser uma digna quinta (31m34,61s). Carla Salomé Rocha fechou o seu 12.º posto com 32m57,44s, mesmo adiante da campeã europeia da maratona, a francesa Christelle Daunay.

A prova de Dulce Félix salvou o dia para Portugal, pois os outros atletas presentes ficaram aquém do que se esperava. Aliás, mesmo muito aquém no caso de Irina Rodrigues, que teve uma qualificação anormal no lançamento do disco, sendo 26.ª e última com a incrível marca de 50,40m, a 14 metros do seu melhor! Ainda no final de Junho a leiriense do Sporting tinha conseguido, em Portugal, chegar aos 63,57s, mas desta feita as coisas correram o pior possível.

Antes, Carlos Nascimento (sétimo na primeira série, 10,54s) e Diogo Antunes (quinto na terceira série, 10,51s) haviam sido eliminados nos 100m masculinos.

Da parte da tarde, Diogo Ferreira fez 5,35m na qualificação do salto com vara, sendo 19.º igualado no concurso, e, sendo a marca discreta para as suas capacidades, o mais desmoralizador foi o facto de esse resultado ter permitido a qualificação a alguns varistas, pela contagem dos ensaios realizados.

Sugerir correcção