Coelho leva bandeira do Estado Islâmico para a Assembleia, com Marcelo a ver

Deputado, que já protagonizou vários episódios semelhantes, justificou o acto como "um grito de alerta" pela situação no arquipélago.

Foto
Gregório Cunha/Lusa

O deputado madeirense do PTP José Manuel Coelho exibiu esta sexta-feira a bandeira do autodenominado Estado Islâmico, no final do seu discurso na sessão solene do Dia da Região, que conta com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Coelho, que já protagonizou vários episódios semelhantes na Assembleia Legislativa da Madeira (ALM), justificou o acto como "um grito de alerta" pela situação no arquipélago.

Discursando no Salão Nobre do parlamento madeirense, o deputado acusou juízes e magistrados de estarem ao "serviço da oligarquia laranja", e de perseguirem os políticos que denunciam a "corrupção" que existe na Madeira.

O caso, que ocorreu logo no início da sessão – Coelho foi o segundo a discursar – acabou por não ter reflexos em termos institucionais, com o presidente da ALM, Tranquada Gomes, a pedir ao deputado do Bloco de Esquerda, que ia intervir depois, para apressar-se.

Mais tarde, já na Quinta Vigia, Marcelo Rebelo de Sousa foi confrontado pelos jornalistas com o caso. O Presidente repetiu o que já tinha dito no discurso na Sessão Solene, afirmando que a Madeira tem o parlamento mais plural do país. Tem muitas diversidades de opiniões, disse, o que permite que "manifestações criativas" como a do deputado Coelho aconteçam.

"Quando eu votei a Constituição de 76, votei para ser uma Constituição para ser o mais aberta, o mais ecuménica possível, para permitir manifestações o mais criativas possíveis", disse. E como a democracia portuguesa tem acompanhado essa criatividade, Marcelo não tem dúvidas que valeu a pena votar essa Constituição. 

Não foi a primeira vez que José Manuel Coelho foi protagonista deste tipo situações. Já desfraldou uma bandeira do regime nazi, foi vestido de recluso, levou um relógio de cozinha ao pescoço e, mais recentemente, despiu-se no plenário, entregando a roupa a Tranquada Gomes.