Edward Snowden e Daniel Radcliffe encontram-se em palco em Privacy

A peça de teatro documental aborda os limites da privacidade na era digital e conta com a participação remota do ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional.

Foto
Daniel Radcliffe protagoniza Privacy Lucas Jackson/Reuters

Ao longo de três anos, trabalhou-se para que este encontro improvável num auditório de Manhattan acontecesse. De um lado, em carne e osso, Daniel Radcliffe, o conhecido Harry Potter; do outro, através de um ecrã em Moscovo, Edward Snowden, o ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional que saltou para a ribalta ao revelar segredos de espionagem do governo americano. Privacy é uma peça de teatro documental que aborda a forma como o privado se torna público na era digital e mistura ideias sobre a privacidade com excertos de A Tempestade, de William Shakespeare.

O espectáculo, encenado por Josie Rourke e com guião de James Graham, nasceu quando os dois organizaram um clube de leitura em que, segundo diz Rourke ao jornal americano The New York Times, “liam páginas e mais páginas de uma ponta à outra”. Durante mais de um ano, a encenadora e o argumentista aprenderam sobre o funcionamento da Internet, o modo como as grandes corporações analisam os dados para implementarem a sua publicidade, a transformação que o e-mail tem provocado na comunicação escrita e o impacto das redes sociais na psicologia humana.

Quando Edward Snowden divulgou documentos classificados da Agência de Segurança Nacional, o clube de leitura deu lugar aos gravadores e às ferramentas on-line de que a dupla se muniu para entrevistar políticos, especialistas, investigadores e jornalistas. Privacy teve uma temporada no Donmar Warehouse, em Londres, em 2014 e foi aclamada pela crítica, mas Josie Rourke e James Graham decidiram reconstruí-la para a estreia americana e, por isso, descartaram as entrevistas então feitas com políticos e especialistas britânicos. Entre os 24 entrevistados norte-americanos que permitiram a remontagem da peça, encontram-se o senador do Oregon Ron Wyden, membro do Comité de Supervisão de Inteligência do Senado, Randi Zuckerberg, o antigo director de desenvolvimento para o mercado do Facebook, e Sherry Turkle, uma especialista em tecnologia e intimidade do MIT.

Ewen MacAskill, especialista em assuntos de defesa e inteligência do jornal britânico The Guardian e uma das primeiras pessoas a ter-se encontrado com Snowden, é uma das raras participações que se repetem na estreia nova-iorquina. Num e-mail ao The New York Times, o jornalista afirma que a peça usa o humor e participação da audiência “para tornar mais acessíveis os conceitos que dizem respeito à vigilância electrónica”.

Neste espectáculo, os actores reproduzem falas retiradas das entrevistas feitas pelos autores, que conseguiram resposta de Edward Snowden apenas na semana passada, depois de alguma insistência. Ben Wizner, advogado de Snowden, da União Americana Pelas Liberdades Civis, diz que o seu cliente “espera que os argumentistas e os actores peguem em conceitos abstractos e os tornem concretos para pessoas que não lêem os documentos da Agência de Segurança Nacional”.

O resultado deste encontro será uma interacção de um minuto durante o clímax da peça, em que Radcliffe falará com Snowden, cuja participação será gravada. A conversa será composta de frases de Snowden sobre a privacidade e partes do terceiro acto de A Tempestade, texto encaixado na peça por ter aproximadamente a mesma extensão que os Termos e Condições que os utilizadores do iTunes têm de aceitar.

Privacy é, de facto, uma peça atípica e começa com um pedido diferente daquele que é feito nas outras salas de espectáculos. “Por favor, liguem os telemóveis”, ouve-se pelo altifalante. A peça, que pretende explorar a sociedade contemporânea na era da tecnologia, é centrada na personagem The Writer, interpretada por Daniel Radcliffe, que se muda para Nova Iorque depois do fim de um relacionamento e vê o seu apartamento ocupado por várias encomendas da Amazon e diversos especialistas em etiqueta pessoal, protecção legal e recolha de dados. A audiência é chamada a participar com os seus Androids e iPhones, de forma voluntária, em tarefas tão simples como fazer uma pesquisa no Google ou tirar a selfie perfeita.

Daniel Radcliffe já não é um novato nos palcos e esta é a sua quarta produção teatral em Nova Iorque, seguindo-se a peças como Equus e How to Suceed in Business Without Really Trying, mas a primeira com uma interacção desta magnitude com o público. “O espectáculo aborda a natureza da privacidade num mundo pós-Edward Snowden e pretende-se que as pessoas colaborem. Há um questionário a certa altura, podem enviar-nos e-mails durante o espectáculo… Se resultar, vai ser engraçado”, disse o actor britânico no programa Late Night With Seth Meyers.

Nas bocas do mundo desde a infância, Daniel Radcliffe mantém-se longe das redes sociais para preservar a privacidade que lhe resta. “As pessoas provavelmente acham que não tenho privacidade nenhuma, mas ainda tenho alguma”, diz ao The New York Times. Além disso, refere que a sua ausência das redes sociais dá tema de conversa com os amigos. “Quando vejo os meus amigos, não sei o que têm andado a fazer”, explica.

Privacy estreia-se este sábado no Public Theater, em Nova Iorque, e pretende fazer a audiência pensar sobre os limites (ou a falta deles) que separam o que é privado do que é público e questionar os dilemas de liberdade, conforto e segurança que a sociedade contemporânea enfrenta.