Para Passos Coelho a CGD não precisa de cinco mil milhões

Numa altura em que a comissão de inquérito à Caixa está prestes a iniciar-se, não há consenso sobre o montante necessário para a recapitalização.

Para as autoridades, a Caixagest e a Caixa BI não respeitaram a obrigação de defender os investidores
Foto
Caixa BI faz parte do universo da CGD GONçALO PORTUGUÊS

Pedro Passos Coelho não tem um valor certo para dar, porque diz que já não está no Governo, mas tem a certeza que a Caixa Geral de Depósitos não precisa de cinco mil milhões para se recapitalizar. “A caixa não precisa de cinco mil milhões e não precisa de metade disso para cumprir a sua missão”, disse o ex-primeiro-ministro a uma plateia de empresários no International Club de Portugal.

As palavras de Passos Coelho surgem a poucos dias do início da comissão de inquérito imposta pelo PSD sobre a situação do banco público. E uma das certezas com que os sociais-democratas partem para esse debate é o facto de os não esclarecimentos do Governo “fragilizarem a Caixa”, defendeu.

O líder do PSD explicou que quando estava no governo fez tudo o que podia, e os bancos também, para limpar os balanços e se tivesse sido injectado mais dinheiro na Caixa, teria ido à dívida. Nesse caso, em vez dos 123%, o país teria ficado com uma dívida muito superior. "Nós fizemos a recapitalização com base no envelope financeiro de que dispunhamos e os bancos fizeram uma parte do seu trabalho que foi a limpeza de balanços durante quatro anos", referiu, adiantando que a Caixa "limpou" quase cinco mil milhões de euros em balanço e que, não tendo sido "o ideal", mas que a verdade é que o Estado "não tinha mais do que 12 mil milhões de euros".

Perante o que fez e o que ainda não se sabe o que o Governo vai fazer, Passos Coelho pediu esclarecimentos, porque esta situação fragiliza a Caixa e “fragiliza a posição de todos os outros bancos". "A melhor maneira de deitar abaixo um banco é passar a ideia de que não pode cumprir os seus compromissos”, disse, relembrando o que se passou no Banif. “Se começarmos a criar dúvidas sobre esta matéria, o resultado será grave”, concluiu.