Boris Johnson sai de cena, ferido de morte pelo seu principal aliado

Michael Gove surpreendeu todos ao anunciar candidatura à sucessão de Cameron e acusar antigo mayor de Londres de falta de liderança. Theresa May poderá capitalizar a revolta com a nova "traição" de Gove

Foto
REUTERS/Paul Hackett

Uma semana depois do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia, a política britânica não esgotou ainda o seu potencial para causar espanto. Quando todos esperavam que Boris Johnson confirmasse que iria finalmente materializar a ambição de substituir David Cameron, o antigo mayor de Londres sofreu um golpe fatal. Michael Gove, tido até então como o seu principal aliado, anunciou que iria entrar na corrida, alegando que Johnson não tem as qualidades necessárias para liderar o Partido Conservador e o Governo.

Se a rebelião desatada no Partido Trabalhista pela vitória do “Brexit” atingiu um tom próximo da guerra de trincheiras – Jeremy Corbyn permanece inamovível na liderança, apesar de repudiado por grande parte da sua bancada –, entre os conservadores o clima dos últimos dias foi de conspiração. Mediram-se forças, testaram-se alternativas e foi só em cima do fim do prazo para a apresentação de candidaturas que a trama “shakespeariana”, numa descrição da BBC, se destapou.

Na mesma altura em que Theresa May, sua colega de Governo formalizava a sua candidatura, Gove atirou o chapéu para o ringue, num comunicado enviado à revista conservadora Spectator, de que Johnson foi director. O ministro da Justiça, que durante dias se colocou atrás do antigo mayor de Londres, vinha agora dizer que tinha chegado “relutantemente” à conclusão de que Johnson não era o líder que o partido precisava. “Disse repetidamente que não queria ser primeiro-ministro. Foi sempre essa a minha posição. Mas os acontecimentos desde a passada quinta-feira tiveram um forte impacto em mim”, escreveu.

Nenhum jornalista nem comentador tinha antecipado tamanha pirueta, deixada apenas adivinhar por um email em que a mulher de Gove o alertava para o risco de que Johnson não cumprisse as promessas que tinha feito – por razões que ninguém explicou a mensagem acabou por ser enviada para uma terceira pessoa que a passou à Sky News na noite de quarta-feira.

Quando, pouco antes do meio-dia, Johnson falou finalmente aos seus apoiantes não era já o grande favorito à sucessão de David Cameron, etiqueta que se lhe colou mal, na manhã de dia 24, o primeiro-ministro assomou à porta de Downing Street para anunciar a sua demissão. Vários deputados conservadores, que ainda na véspera lhe garantiam o apoio, anunciaram que estavam ao lado de Gove.

Ainda assim, poucos imaginariam que no final do seu discurso, quase todo dedicado “às enormes oportunidades” e desafios que o próximo primeiro-ministro terá pela frente, o antigo mayor de Londres se iria excluir da corrida. “Tendo consultado os meus colegas e olhando às actuais circunstâncias no Parlamento, cheguei à conclusão que eu não posso ser essa pessoa”, afirmou, com o olhar dividido entre o papel escrito à sua frente e os apoiantes, que não esconderam o espanto.

“Também tu Brutus?”

A surpresa deu lugar à indignação, com vários apoiantes a repudiarem a “traição” de Gove. Um sentimento que Stanley Johnson, pai do antigo mayor e defensor da permanência do Reino Unido na UE, resumiu quando lhe perguntaram o que pensava da atitude do ministro da Justiça. “O meu comentário a isso é ‘também tu Brutus?’”.

Mas houve também quem não calasse a revolta por ver Johnson desistir da corrida e, com isso, renunciar a resolver uma situação política pela qual é um dos responsáveis. Ele “criou uma das maiores crises constitucionais dos tempos modernos” e agora “demitiu-se de qualquer sentido de responsabilidade por aquilo que fez”, afirmou Michael Heseltine, o ministro que em 1990 desafiou Margaret Thatcher e acabou por precipitar a demissão da então primeira-ministra.

James Kirkup, colunista do Daily Telegraph e considerado próximo da liderança conservadora, recordou que esta foi a segunda vez, no espaço de poucos meses, que Gove prova o seu instinto político assassino. David Cameron “sempre acreditou que o seu amigo não lhe faria oposição na Europa” e mesmo depois de ele ter anunciado que era favorável à saída, o primeiro-ministro continuou a acreditar “que ele não iria assumir um papel de relevo na campanha”.

Cameron esteve errado das duas vezes e, com o primeiro-ministro fora de jogo, chegou a vez de Johnson sair do caminho. “Gove foi directamente à jugular do seu antigo aliado”, escreveu o colunista, sublinhando que “a ideia de que o Boris afável é na verdade egoísta e pouco fiável era precisamente o ponto fraco da sua candidatura”.

Numa entrevista à BBC, Michael Gove tentou desmontar a ideia de traição, garantindo que só na noite de quarta-feira chegou “de forma relutante mas firme” à conclusão de que Johnson não seria capaz de unir o partido e o país, profundamente divididos pelo resultado da campanha. Acrescentou ainda que o Reino Unido “precisa de ser liderado por alguém que acredite de coração e alma na saída da UE” – um recado óbvio a Theresa May, que apesar de nunca ter escondido o seu eurocepticismo optou por ficar ao lado de David Cameron na campanha.

A ministra do Interior poderá ser, no entanto, a grande beneficiária deste sangrento jogo de bastidores, surgindo perante os militantes como a única capaz de fazer a ponte entre os que preferiam a permanência e os que votaram pela saída. Nesta quinta-feira, tratou de tranquilizar os eurocépticos, ao garantir que não haverá recuo na decisão que foi tomada em referendo – “’Brexit’ significa ‘Brexit’”, afirmou – e que o controlo da imigração será prioritário nas negociações com a UE.

Gove tem ainda assim muitos apoios entre os deputados, que terão a primeira palavra na escolha do próximo líder. E, depois das surpresas da última semana, ninguém quer excluir para já os outros três candidatos – o antigo ministro da Defesa Liam Fox, a secretária da Energia Andrea Leadsom e o ministro da Segurança Social Stephen Crabb. A primeira votação está prevista para a terça-feira e até lá muitos deputados terão de responder à pergunta que Kirkup deixou esta quinta-feira. “Poderá [Gove] realmente afirmar que é uma figura unificadora depois de ter destruído dois dos seus mais próximos aliados?”